Bolsas

Câmbio

Ouça o Giro UOL Economia com os destaques desta quinta, 13 de outubro

Do UOL, em São Paulo

Mercado financeiro

A Bolsa fechou em alta de 0,16%, com 61.118,58 pontos. O resultado de hoje foi puxado, principalmente, pelo desempenho positivo das ações da Petrobras, que subiram mais de 2%, e dos bancos Bradesco, Itaú Unibanco e Banco do Brasil.

No mercado de câmbio, o dólar operou em alta durante grande parte da sessão, mas passou a cair durante a tarde e registrou queda de 0,57%, cotado a R$ 3,182. É o menor valor de fechamento desde 11 de agosto.

Leia mais



Por mais trabalho

No segundo trimestre, cerca de 22,7 milhões de brasileiros não tinham emprego ou queriam trabalhar mais horas. O número representa 13,6% do total de pessoas com 14 anos ou mais, ou seja, em idade de trabalhar. Os dados são do IBGE.

Nesse grupo se enquadram desempregados, subocupados - ou seja, quem tem emprego, mas trabalha menos de 40 horas por semana e gostaria ou poderia trabalhar mais -, e força de trabalho em potencial, que são aqueles que não estavam disponíveis para trabalhar por algum problema, como saúde ou estudos. Esses são indicadores novos da pesquisa Pnad Contínua, adotados pelo IBGE para enriquecer as análises sobre o mercado de trabalho e se ajustar às recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Leia mais


Fuga de dólares

Pouco mais de um ano depois de perder o grau de investimento, o Brasil enfrenta hoje a maior fuga de dólares da última década. Só no mercado financeiro, a saída da moeda norte-americana em 2016 já supera a entrada em US$ 48,7 bilhões, quase o dobro do que foi perdido no auge da crise mundial de 2008.

De acordo com dados do Banco Central, o saldo negativo acumulado de janeiro a setembro de 2016 é de US$ 15,8 bilhões. Apesar da forte retirada de dólares nas operações financeiras, a equação foi compensada pela balança comercial, que registrou um superávit de US$ 33 bilhões no período.

Leia mais



O tamanho do rombo

Analistas do mercado melhoraram ligeiramente as projeções para o rombo primário nas contas públicas neste ano. Os dados são do Ministério da Fazenda, com base em dados coletados em setembro. Para 2016, a previsão de déficit primário passou para R$ 159,884 bilhões, abaixo da estimativa anterior, que era de R$ 160,378 bilhões, e da meta fixada para este ano, abaixo dos R$ 170,5 bilhões negativos.

Já para o ano que vem o cenário piorou. A expectativa passou a ser de um déficit de R$ 145,388 bilhões para o governo central, contra R$ 140,157 bilhões do levantamento anterior. Esse valor ultrapassaria com folga a meta estabelecida pelo governo de um saldo negativo em R$ 139 bilhões para 2017.

Leia mais



Papéis fortes

Ao todo, 18 empresas brasileiras mais que dobraram o valor das ações na Bolsa neste ano. Os cálculos são da consultoria Economatica.

As ações que tiveram maior ganho percentual na Bovespa no ano foram as da Magazine Luiza, com um salto de 412%. Os papéis da rede de lojas, que eram negociados a R$ 17,65 em 31 de dezembro de 2015, fecharam a última terça-feira (11) valendo R$ 90,37.

Leia mais


Agenda

Amanhã o departamento de comércio dos Estados Unidos vai publicar os dados sobre as vendas de setembro do varejo.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos