Bolsas

Câmbio

Juros

Chefe do BC diz que não vai usar taxa de juros para conter alta do dólar

Do UOL, em São Paulo

Após um dia de instabilidade no mercado financeiro, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou nesta quinta-feira (7) que a entidade não usará a taxa básica de juros (Selic) para conter a disparada do dólar.

Em entrevista coletiva a jornalistas, Goldfajn disse que a política monetária (de juros) é separada da política cambial e que não há relação mecânica entre as duas. "A política monetária olha para as expectativas de inflação e o balanço de riscos, e não será usada para controlar taxa de câmbio".

Com a recente disparada do dólar, que fechou esta quinta-feira em alta de 2,28%, cotado a R$ 3,926 na venda, analistas passaram a especular que o BC poderia subir a taxa de juros em um ponto percentual (dos atuais 6,5% para 7,5% ao ano) até o final do ano, começando já na próxima reunião, marcada para os dias 19 e 20 de junho.

Leia também:

Para o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, se o dólar continuar a subir, o Banco Central poderá ser obrigado a usar a política monetária para conter o avanço do câmbio, em vez de utilizá-la como instrumento de controle da inflação, como normalmente faz.

"Se o BC decidir subir os juros sem ter uma evidência de que a inflação saiu do rumo para a meta, o mercado interpretará como um sinal de que o Banco Central está com medo do câmbio. Isso é tudo que o Banco Central não quer. Ao mesmo tempo, ele não tem como ignorar a alta dos juros futuros, nem o avanço do dólar", disse o economista do Banco Fator.

BC vai intensificar atuação nos mercados

Goldfajn afirmou que o BC e o Tesouro Nacional têm atuado de forma coordenada para oferecer liquidez aos mercados de câmbio e de juros, especialmente por meio dos leilões de swaps cambiais tradicionais (contratos equivalentes à venda de dólares no mercado futuro).

O BC vai oferecer US$ 20 bilhões em leilões de swaps cambiais até o fim da próxima semana para tentar segurar a disparada do dólar. Esse valor pode ser ainda maior se a entidade considerar necessário, segundo Goldfajn.

Além dos swaps, o BC pode usar outros instrumentos para trazer estabilidade aos mercados. "Vamos usar os instrumentos necessários para o mercado. Se precisar de swap, usamos o swap. Se precisar de reservas, usamos reservas. Se precisar de [leilões de] linha, usamos linha", disse Goldfajn.

De acordo com ele, o Brasil tem mais de 20% do PIB (Produto Interno Bruto) em reservas internacionais, que podem ser usadas se necessário. No entanto, não houve essa necessidade até agora.

O que são swaps cambiais?

Por meio das operações de swap cambial, o Banco Central vende contratos de venda futura da moeda norte-americana, mas sem transferir o recurso de fato. Ao fim do contrato, o BC garante ao investidor o pagamento da variação do dólar no período e o investidor restitui a variação da taxa de juros no período.

Se a taxa de juros for superior, o investidor embolsa os rendimentos. Se a moeda subir mais do que os juros no período, é o BC que sai ganhando. Esse contrato faz com que os investidores diminuam o apetite pela moeda norte-americana e o seu valor frente ao real seja reduzido no mercado de câmbio.

(Com Agência Brasil e Reuters)

Se não sabe responder a estas 5 questões, será difícil ficar rico

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos