IPCA
0,1 Out.2019
Topo

País ainda não verá retomada de emprego "neste Natal", diz secretário

O secretário de política econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, durante apresentação no BTG Macro Day - Reprodução/YouTube/Canal BTG
O secretário de política econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, durante apresentação no BTG Macro Day Imagem: Reprodução/YouTube/Canal BTG

Ricardo Marchesan

Do UOL, em São Paulo

08/08/2019 11h57

O secretário de política econômica do Ministério da Economia, Adolfo Sachsida, disse hoje que "não será neste Natal" que o país verá a retomada dos empregos.

O secretário foi questionado sobre quando será visto um aumento consistente do emprego, durante participação em evento voltado ao mercado financeiro em São Paulo, nesta manhã.

"É uma pergunta difícil. Estamos trabalhando para isso", afirmou. "O país está voltando passo a passo. Infelizmente, não será nesse Natal. Mas as medidas estão sendo tomadas para que a partir do ano que vem o país volte ao caminho da prosperidade", afirmou.

Como medida para a retomada, ele citou a reformulação ou extinção de algumas normas regulamentadoras de saúde e trabalho, que chamou de "revolução silenciosa", comandada pelo secretário de Previdência e Trabalho do Ministério, Rogério Marinho.

Sachsida também voltou a defender a liberação do saque do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), dizendo que o consumo vai ser muito impactado pela medida. "Vai ter um impacto muito mais forte do que alguns estão prevendo", disse.

Reforma da Previdência

Durante o evento, o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, Marcos Troyjo, afirmou que o avanço da reforma da Previdência no Congresso, após a aprovação na Câmara, é importante para a imagem do Brasil no cenário internacional.

"Internacionalmente, isso é um símbolo muito importante porque mostra que, do ponto de vista político, o governo consegue construir consensos junto ao Congresso Nacional, junto à sociedade", afirmou.

Desempregados contam como estão se virando enquanto não acham trabalho

UOL Notícias

Economia