IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

Empresário acredita em lucro fácil, vende apartamento e perde R$ 100 mil

Lucas Gabriel Marins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

10/10/2019 04h00

Resumo da notícia

  • O empresário Deivid Botega de Carvalho investiu R$ 30 mil na Wolf Trade Club, de Curitiba, e conseguiu lucro de 30% em quatro meses
  • Empolgado, Carvalho vendeu apartamento, fez novo investimento de R$ 100 mil, mas perdeu tudo
  • Há mais de 40 ações contra a empresa na Justiça do Paraná
  • A Wolf Trade Club alega que foi vítima de golpe, e furo no caixa chega a R$ 9 milhões

Em 2018, um amigo do empresário Deivid Botega de Carvalho, 38, apresentou para ele a Wolf Trade Club, uma empresa de Curitiba (PR) que afirma conseguir lucros de até 30% em poucos meses com investimentos variados. Esses ganhos seriam obtidos por meio de compras e vendas diárias de ativos na Bolsa de Valores, técnica conhecida como day trade.

Carvalho disse que, influenciado pelo amigo que colocou dinheiro e faturou alto na empresa, resolveu investir R$ 30 mil em junho de 2018, com a promessa de receber o lucro de 30% depois de quatro meses. Dentro do período, segundo ele, o dinheiro prometido foi repassado.

Vendeu apartamento para investir mais

Empolgado com o ganho fácil e rápido, o empresário vendeu um apartamento de 64 metros quadrados por R$ 145 mil, pegou R$ 100 mil e investiu de novo na empresa no final do ano passado.

"Só que dessa vez, um dos sócios [Caique Marques Fontana] pediu para que eu depositasse o dinheiro na conta bancária física dele, e não na jurídica, pois o lucro seria o dobro. Como era um dos donos [a empresa tem seis] fazendo essa promessa, eu acreditei, de forma inocente", declarou o empresário, que assinou dois contratos que descrevem os ganhos. A reportagem teve acesso aos documentos. A empresa nega má-fé e diz ter sofrido um golpe (leia mais abaixo).

Investidores foram induzidos a erro, diz advogado

Desde então, Carvalho não recebeu mais nada. "Tive que tomar dinheiro emprestado para cobrir o rombo. A única coisa que ganhei foi estresse e nervosismo, e quase entrei em falência", disse ele, que tem uma oficina e uma distribuidora de radiadores em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Carvalho entrou com uma ação contra a Wolf Trade Club e seus sócios. O advogado Thiago Conte Lofredo Tedeschi, que defende o empresário e mais um cliente lesado, além de auxiliar dezenas de outros, entende que os investidores foram induzidos ao erro ao assinar contratos como pessoa física com apenas um dos sócios.

"Muitas pessoas, leigas na área, não entenderam detalhes de contrato e acabaram sendo induzidas ao erro porque acreditaram que o sócio assinava pela empresa, quando na verdade ele estava fazendo na pessoa física dele", disse.

40 processos contra a empresa no PR

Assim como Carvalho, outros investidores também moveram processos contra a Wolf Trade Club e seus membros por danos materiais, danos morais, corretagem e inadimplência. Só na Justiça do Paraná há 40 ações em andamento.

A reportagem também conversou com o desenvolvedor Nicolas Otavio Ferreira Troles, 24, que investiu R$ 15 mil em novembro do ano passado, com a promessa de receber 20% em cima do valor 120 dias depois. "Venceu o prazo no começo deste ano, mas nada de resolverem minha situação", disse.

Também foram encontrados depoimentos semelhantes no Facebook e no Reclame Aqui.

A Polícia Civil do Paraná abriu investigação para apurar os fatos no começo do ano, mas repassou o caso para a Polícia Federal. A corporação informou à reportagem que não comenta investigações em andamento.

Empresa diz que sofreu golpe

O presidente e fundador da empresa, Lucas Bubniak, disse que a empresa sofreu um golpe no início de 2018 que afetou a operação e resultou em perdas de R$ 9 milhões. Ele afirmou que, por causa disso, a companhia, que já teve 14 mil clientes, hoje tem pendências com 296 pessoas.

Bubniak ainda falou que o suposto golpe foi relatado à Polícia Federal no início de setembro. Informou também que já foi formalizado um plano de pagamento aos clientes, que será divulgado na próxima semana.

Empresa não responde por contrato com sócio

Sobre o caso de Carvalho, Bubniak disse que, como o contrato do empresário foi formalizado diretamente com Caique Marques Fontana, que tinha alguns clientes "por fora", a empresa não tem responsabilidade alguma. "Infelizmente, esse cliente específico não tem vínculo com a Wolf Trade Club", afirmou.

Ainda de acordo com Bubniak, Fontana não é visto desde novembro de 2018 e já não faz mais parte da empresa. Apesar disso, ele ainda consta no site institucional como membro da equipe.

O UOL contatou Fontana pelo Facebook no início da tarde desta terça-feira (8), mas o empresário não respondeu até a conclusão desta reportagem.

CVM faz alerta sobre empresa ao mercado

No dia 9 de julho, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários), órgão regulador do mercado financeiro, alertou que a Wolf Trade Club e seus sócios oferecem publicamente serviço de administração de carteiras de valores mobiliários sem autorização prévia do órgão.

A CVM determinou a imediata suspensão de veiculação de qualquer oferta de serviço de administração de carteira de valores mobiliários e multa de R$ 5.000 por dia em caso de descumprimento.

Bubniak disse que não atua com valores mobiliários desde fevereiro deste ano. O foco da empresa hoje, segundo ele, é o desenvolvimento de software para a atuação dentro da Bolsa de Valores.

Se oferecerem ganho de 2% ao mês, fuja, que é crime de pirâmide financeira

UOL Notícias

Mais Economia