PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

BA prevê R$ 500 mi de prejuízo sem festas juninas; Carnaval 2021 é incerto

Cancelamento de eventos é resultado da pandemia do novo coronavírus - Rita Barreto/ BahiaTurismo
Cancelamento de eventos é resultado da pandemia do novo coronavírus Imagem: Rita Barreto/ BahiaTurismo

Do UOL, em São Paulo

24/06/2020 14h50

O cancelamento de festas juninas pode ser o início de um cenário ainda mais grave para a economia da Bahia, especialmente nos setores de serviços e turismo. Em entrevista hoje à CNN Brasil, o governador Rui Costa (PT) vê eventos como Réveillon e Carnaval em risco diante do novo coronavírus.

"As atividades vinculadas ao turismo, ao serviço, sofrerão por mais tempo. Ainda é cedo para qualquer decisão, seja para Réveillon, seja para Carnaval. Mas qualquer aglomeração de pessoas vai depender do avanço da ciência nos próximos meses", disse Costa.

"A expectativa é que tenhamos, nos próximos meses, ou um antiviral que zere a morte por coronavírus, ou uma vacina que traga proteção para a população. Não queremos antecipar decisões definitivas, que são mutáveis no tempo", completou.

A pandemia da covid-19 já causou grande impacto na economia do Nordeste, frente ao cancelamento de festas juninas na região. Na Bahia, segundo Rui Costa, a estimativa é de um prejuízo de R$ 500 milhões sem os eventos entre junho e julho, principalmente no interior do estado.

"A festa que movimenta e envolve economicamente, pessoalmente, o maior número de baianos é o São João, as festas juninas, que se concentram no final de junho, início de julho. Essas festas ocorrem em quase todos os municípios da Bahia, inclusive na capital (Salvador). O impacto econômico é muito grande. Não fazer as festas juninas, para o interior, é o equivalente ao que seria não fazer o Carnaval para a capital. Há uma estimativa da Superintendência de Estudos Econômicos do estado que o prejuízo para a economia do interior ultrapasse R$ 500 milhões", anunciou o governador.

A expectativa de Rui Costa, agora, é pela sanção do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para o auxílio financeiro de cerca de R$ 3 bilhões ao setor da cultura. A medida foi aprovada pelo Senado no começo de junho.

"Neste ano, não há previsão de realizar o São João ou outras festas regionais, pela falta de previsibilidade da vacina ou de outro antiviral capaz de evitar as mortes. Estamos na expectativa do projeto aprovado no Congresso, de apoio às atividades culturais, que está para ser sancionado pelo presidente. Esse recurso ajudará atividades culturais do Brasil inteiro", afirmou.