PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Bolsa fecha acima de 100 mil pontos após 4 meses; dólar cai a R$ 5,324

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo*

10/07/2020 17h11

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, terminou o pregão desta sexta-feira (10) em alta de 0,88%, a 100.031,83 pontos. O índice não fechava acima de 100 mil pontos desde 5 de março (102.233,24). Com a alta de hoje, o Ibovespa acumulou valorização de 3,38% na semana, embora ainda registre queda de 13,5% no ano.

O dólar comercial emendou hoje a terceira queda consecutiva e fechou com desvalorização de 0,37%, cotado a R$ 5,324 na venda. A moeda terminou a semana praticamente estável, com leve queda acumulada de 0,06%. Em 2020, o dólar acumula valorização de 32,66%.

Ontem (9) a moeda norte-americana tinha caído 0,07%, vendida a R$ 5,344.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Alta de casos de covid-19 preocupa

Depois de subir quase 1% mais cedo, o dólar fechou em queda após o enfraquecimento da moeda no exterior, mas ainda com cautela em meio a números recordes de casos de covid-19 nos EUA.

Nesta sexta-feira, índices de Wall Street oscilavam perto da estabilidade, apesar do receio do mercado de que novas quarentenas impostas por alguns estados norte-americanos prejudiquem a recuperação na maior economia do mundo, que ainda luta para sair da recessão.

Mais de 60,5 mil novas infecções por coronavírus foram relatadas nos EUA na quinta-feira, a maior contagem de casos em um único dia em qualquer país desde que o vírus surgiu, no final do ano passado, na China.

No Brasil, a pandemia também persiste, com 42.619 novos casos de coronavírus na quinta, elevando o total para 1.755.779. Foram mais 1.220 mortes informadas na véspera, com o número agregado indo a 69.184.

"Frente ao aumento dos riscos do cenário, investidores optam por manter posições mais cautelosas", disse em nota Alejandro Ortiz Cruceno, da equipe econômica da Guide Investimentos.

Inflação de junho no Brasil

Do lado macro, o setor de serviços registrou queda em maio, ainda afetado pelas quarentenas impostas para conter a disseminação da covid-19. E o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) de junho subiu, em linha com as expectativas, o que orienta as atenções do mercado para eventuais leituras mais altas nos próximos meses.

Em entrevista à Reuters na noite de quarta-feira, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o BC precisa entender o impacto do crescimento na inflação para avaliar se ainda há espaço para corte residual nos juros básicos, complementando que dados na margem mostram inflação acima das expectativas.

*Com Reuters

Este conteúdo foi gerado pelo sistema de produção automatizada de notícias do UOL e revisado pela redação antes de ser publicado.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi informado no título deste texto e na chamada nas home-pages do UOL e de UOL Economia, o dólar caiu, e não subiu. A informação foi corrigida.

Cotações