PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Empresa mais investigada na Lava Jato, Odebrecht muda de nome: Novonor

Odebrecht agora se chamará Novonor - Reprodução
Odebrecht agora se chamará Novonor Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

18/12/2020 12h27Atualizada em 18/12/2020 16h18

Com a imagem afetada pelos crimes investigados na operação Lava Jato e brigas na família, a Odebrecht decidiu mudar de nome. A empreiteira anunciou hoje que passa a se chamar Novonor.

O anúncio foi feito pelo representante do acionista majoritário do grupo, Maurício Odebrecht, durante reunião anual com transmissão online para todos os funcionários. Segundo o comunicado, a nova marca é "inspirada no futuro".

No comunicado, a empreiteira enfatizou que a mudança "não é uma tentativa de apagar o passado".

Não estamos apagando o passado. Passado não se apaga. Passado é exatamente o que ele é - passado. Depois de tudo o que promovemos de mudanças e de correção de rumos, estamos agora olhando para o que queremos ser: uma empresa inspirada no futuro. Este é o nosso novo norte
Maurício Odebrecht, acionista majoritário da agora Novonor

A Novonor nasce como uma holding de um grupo empresarial com 25 mil empregados e seis empresas nas áreas de engenharia e construção, mobilidade urbana e rodovias, petróleo e gás, mercado imobiliário, petroquímica e indústria naval.

Escândalos da Lava Jato

A Odebrecht é a empresa privada mais investigada pela Lava Jato. O grupo firmou um acordo de leniência com a PGR (Procuradoria-Geral da República) em dezembro de 2016, no âmbito da operação. O acordo previu o depoimento de 78 executivos da empreiteira, incluindo os ex-presidentes Marcelo Odebrecht e seu pai, Emílio Odebrecht, o que gerou mais de 80 inquéritos no STF (Supremo Tribunal Federal).

Marcelo foi condenado por pagar propinas a agentes políticos para garantir contratos com a Petrobras e ficou preso em regime fechado de junho de 2015 até dezembro de 2017. Em 2019 ele conseguiu progressão da pena por colaborar com a justiça e hoje cumpre a pena em regime semiaberto.

Já Emílio foi condenado a 19 anos e quatro meses de prisão, também em regime semiaberto, no caso do sítio em Atibaia que também condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A empreiteira teria realizado obras que beneficiaram o petista.

Após trocas de acusações públicas e dentro do grupo, Marcelo e Emílio hoje estão rompidos.

Em julho, a Justiça de São Paulo aprovou o pedido de recuperação judicial da Odebrecht e de mais 11 empresas do grupo, avaliado em mais de R$ 83 bilhões. Agora, o processo será acompanhado pela justiça por dois anos. Se o valor for confirmado, será o maior processo no Brasil.

Metas da nova empresa

Na reunião virtual de hoje, a empresa anunciou os propósitos da marca. Segundo o comunicado, a Novonor quer "servir à sociedade pela atuação das nossas empresas, ajudando a construir um futuro sustentável"

Sobre a estratégia de atuação para os próximos 10 anos, o grupo quer "ter a confiança dos clientes e da sociedade para conceber e concretizar com ética soluções inovadoras que criam valor para todos".