PUBLICIDADE
IPCA
+0,31 Abr.2021
Topo

Mídia e Marketing

Marcos Kac, promotor do caso Henry, será entrevistado ao vivo hoje, às 16h

UOL Entrevista com Marcos Kac (09/04/21) - Arte/UOL
UOL Entrevista com Marcos Kac (09/04/21) Imagem: Arte/UOL

Do UOL, em São Paulo

09/04/2021 10h34

Nesta sexta-feira (9), às 16h, o UOL Entrevista conversa ao vivo com Marcos Kac, promotor de Justiça responsável pelo caso Henry. A entrevista, conduzida pela colunista do UOL Juliana Dal Piva e pelo repórter Herculano Barreto Filho, será transmitida pela home do UOL e pelos canais do UOL no YouTube, Facebook e Twitter.

Após a prisão temporária ontem (8) do vereador Dr. Jairinho (Solidariedade) e da professora Monique Medeiros, suspeitos pelo assassinato de Henry Borel, de 4 anos, a Polícia Civil do Rio tenta montar as últimas peças de um quebra-cabeça para desvendar todos os detalhes do caso.

Os investigadores apuram o que ocorreu dentro do apartamento na Barra da Tijuca, onde o menino foi espancado até ficar desacordado, e por que a babá mentiu em depoimento. Em entrevista à CNN Brasil, o promotor Marcos Kac disse que a prisão da babá, identificada como Thayná, não é necessária para as investigações. Ela esteve envolvida em uma troca de mensagens com a mãe do garoto.

Na conversa, Thayná diz que Henry ficou trancado em um cômodo com Jairinho e que saiu do local com hematomas. As mensagens são provas para a Polícia Civil do Rio de Janeiro de que Henry sofria agressões do padrasto antes da sua morte, em 8 de março.

A defesa de Jairinho e Monique informou que entrará com um pedido de habeas corpus para que eles sejam soltos. O advogado do casal, André França Barreto, alega que não houve agressão e que o padrasto e a mãe da criança são inocentes.

Questionado a respeito das mensagens trocadas entre Monique e a babá de Henry, o advogado rebateu dizendo que a defesa mostrou "de maneira muito clara que a polícia quebrou a cadeia de custódia quando obteve esse celular. A gente tem questionado que a prova precisa ser protegida. Na medida que as autoridades foram naquela sexta-feira, obtiveram os celulares e não acautelaram, houve flagrante violação da quebra de custódia".

Mídia e Marketing