PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Cotações

Dólar opera em alta, a R$ 5,70, e Bolsa tomba mais de 1%; siga

UOL

Em São Paulo

05/01/2022 09h42Atualizada em 05/01/2022 16h23

O dólar comercial e a Bolsa operavam em sentidos opostos na tarde de hoje (5). Por volta das 16h20 (de Brasília), a moeda norte-americana subia 0,17%, vendida a R$ 5,70, enquanto investidores digeriam a divulgação de dados de emprego norte-americanos.

No mesmo horário, o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores brasileira, tombava 1,62%, atingindo 101.831,61 pontos.

Ontem (4) o dólar comercial fechou com valorização de 0,48%, vendido a R$ 5,69, e a Bolsa fechou com queda de 0,39%, a 103.513,641 pontos.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Alta de Bolsonaro e ata do Fed

Preocupações com a pauta fiscal seguem no radar dos investidores no Brasil, enquanto o presidente Jair Bolsonaro (PL) recebeu alta hospitalar, após internação por obstrução intestinal.

A ata do Fed deve ser divulgada às 16h (horário de Brasília) e investidores aguardam sinais de potencial aperto monetário maior do que o esperado pelas autoridades do banco central norte-americano. Pela manhã, foi divulgado dado de criação de vagas no setor privado em dezembro nos Estados Unidos acima do projetado por analistas.

Em dezembro, o Fed sinalizou que sua meta de inflação foi cumprida e disse que encerrará em março compras de títulos adotadas durante a pandemia, pavimentando o caminho para três aumentos de 0,25 ponto percentual nas taxas de juros até o fim de 2022.

No cenário macroeconômico, agentes do mercado monitoram a manutenção de incertezas fiscais, diante de pressão de servidores por reajustes salariais e após governo federal prorrogar desoneração da folha de pagamentos para alguns setores sem impor compensações.

Este conteúdo foi gerado pelo sistema de produção automatizada de notícias do UOL e revisado pela redação antes de ser publicado.

(Com Reuters)

PUBLICIDADE

Cotações