PUBLICIDADE
IPCA
0,73 Dez.2021
Topo

Cotações

Dólar opera com queda de 1,56% após dados da inflação; Bolsa sobe

UOL*

Em São Paulo

11/01/2022 09h21Atualizada em 11/01/2022 16h00

O dólar comercial caiu 1,56%, a R$ 5,586, por volta das 16h (horário de Brasília) desta terça-feira, conforme agentes do mercado digeriam dados de inflação domésticos mais fortes do que o esperado.

O IBGE informou nesta terça-feira que o IPCA subiu 0,73% em dezembro, acumulando em 2021 salto de 10,06%. A expectativa em pesquisa da Reuters era de alta de 0,65% no mês passado e de 9,97% em 12 meses.

No mesmo horário, o Ibovespa operava em alta de 1,57%, aos 103.555,40 pontos.

Ontem (10) a moeda norte-americana teve alta de 0,76%, fechando a R$ 5,674 na venda, e o índice caiu 0,75%, aos 101.945,203 pontos.

O valor do dólar divulgado diariamente pela imprensa, inclusive o UOL, refere-se ao dólar comercial. Para quem vai viajar e precisa comprar moeda em corretoras de câmbio, o valor é bem mais alto.

Inflação acima da meta

Com esse resultado, a inflação ao consumidor brasileiro encerrou 2021 bem acima do teto da meta e no nível mais elevado em seis anos, mantendo a pressão sobre o Banco Central para que contenha as altas dos preços com seu ciclo de aperto monetário.

No ano passado, a autarquia levou a taxa Selic de uma mínima histórica de 2% para 9,25% ao ano, mostrando, em sua última reunião, preocupação com a desancoragem das expectativas de inflação.

O resultado acima do esperado do IPCA de dezembro deve reforçar essa "pressão em cima do BC em relação ao aperto monetário que vem fazendo e deve continuar promovendo daqui para frente", comentou Samuel Cunha, economista e sócio da H3 Invest.

Há, entre participantes do mercado, percepção de que juros mais altos no Brasil podem beneficiar o real, uma vez que elevariam a rentabilidade do mercado de renda fixa doméstico, atraindo mais recursos para o país.

Mas a inflação e uma Selic mais alta —que deve chegar aos dois dígitos já na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC— podem ter um custo elevado à atividade econômica brasileira, uma vez que tendem a frear os gastos do consumidor.

"Aquela ideia do começo de 2021 de que a inflação seria algo temporário veio abaixo há algum tempo. A gente deve se preocupar, porque é um dos vetores que podem e devem impactar nosso crescimento econômico", afirmou Cunha.

*Com Reuters

Este conteúdo foi gerado pelo sistema de produção automatizada de notícias do UOL e revisado pela redação antes de ser publicado.

PUBLICIDADE

Cotações