IPCA
0,46 Jul.2024
Topo

Conta de luz: decreto do governo Bolsonaro deve gerar aumento

Decreto do governo federal prevê, mais uma vez, empréstimos para o setor elétrico - Getty Images/iStock
Decreto do governo federal prevê, mais uma vez, empréstimos para o setor elétrico Imagem: Getty Images/iStock

Do UOL, em São Paulo *

14/01/2022 10h45Atualizada em 14/01/2022 13h27

O TCU (Tribunal de Contas da União) alerta que o decreto sobre o socorro ao setor elétrico publicado hoje pelo governo federal deve provocar aumentos "expressivos" nas contas de luz nos próximos anos, embora possa impedir um "tarifaço de curto prazo".

A medida do governo federal regulamenta empréstimos para bancar ações emergenciais contra falhas no fornecimento de energia devido à escassez nos reservatórios de usinas hidrelétricas.

O empréstimo também deverá cobrir custos decorrentes da importação de energia de outros países e relacionados ao programa de incentivo à redução voluntária do consumo de energia no mercado regulado.

Não foram detalhados os valores exatos do empréstimo, nem o prazo de pagamento, mas a previsão é que a operação fique em torno de R$ 15 bilhões.

Em relatório sobre o tema, o TCU cobra "clareza" e "objetividade" do governo na condução da política tarifária para o setor elétrico. Para o órgão, os estudos prévios sobre a medida feitos pelo governo são "deficientes" e não indicam com exatidão o impacto do financiamento na inflação nem apontam ações alternativas para equacionar os problemas financeiros das concessionárias.

É a quarta vez que o governo recorre a operações financeiras para conter reajustes elevados nas contas de luz ou para socorrer as empresas de distribuição.

A última foi em 2020, quando o empréstimo foi autorizado para minimizar os efeitos da pandemia de covid-19 sobre o setor - essa operação, inclusive, já está sendo paga por meio de repasses adicionais às contas de luz.

"De alguma maneira, começa-se a formar um acúmulo de aumentos tarifários já em razão de processos tarifários anteriores, Conta-Covid e decisões tomadas durante a crise hidroenergética", apontou o TCU no relatório.

"Há o risco de o consumidor, nos anos vindouros, estar sujeito a aumentos tarifários expressivos, em razão de efeitos cumulativos de decisões tomadas no passado, como pagamento da Conta-Covid e dessa nova operação de crédito", acrescentou.

* Com informações de Letícia Fucuchima, da Reuters, em São Paulo, e de Marlla Sabino, da Estadão Conteúdo, em Brasília