PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Bolsonaro diz que ministro saiu por 'pequeno problema na Petrobras'

Do UOL, em São Paulo

12/05/2022 20h17

Após trocar ministros do MME (Ministério de Minas e Energia) ontem, o presidente Jair Bolsoanaro (PL) disse em sua live semanal que a saída de Bento Albuquerque ocorreu porque "tínhamos um pequeno problema na Petrobras". O economista Adolfo Sachsida assumiu o cargo ontem.

Em transmissão ao vivo hoje, Bolsonaro teceu elogios a Bento e afirmou que ele é "uma pessoa excepcional". "Ele fez um trabalho muito bom em várias outras áreas, mas tínhamos um pequeno problema na Petrobras e resolveu assinar sua saída do Ministério", afirmou, sem dizer qual seria a questão pendente.

O MME (Ministério de Minas e Energia) informou ontem que a decisão do agora ex-ministro em deixar a pasta foi "de caráter pessoal" e tomada em comum acordo com Bolsonaro. Bento Albuquerque era um dos últimos remanescentes da equipe original de ministros do presidente.

A mudança ocorre após recentes ataques de Bolsonaro à política de preços da Petrobras, estatal ligada à pasta de Minas e Energia. Na segunda-feira (10), a empresa anunciou aumento de 8,87% no preço do diesel nas suas refinarias. Nos postos, o preço do diesel aumentou em 96% durante o governo Bolsonaro, segundo levantamento do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

De acordo com o jornal "Folha de S.Paulo", Albuquerque também resistia ao projeto bilionário que prevê a construção de gasodutos pelo país. A proposta, patrocinada pelo centrão, tem um custo de R$ 100 bilhões e é polêmica por beneficiar diretamente Carlos Suarez, ex-sócio da empreiteira OAS e conhecido como o "rei do gás".

Quem é Adolfo Sachsida?

Adolfo Sachsida deixou a chefia da assessoria especial de Assuntos Estratégicos do Ministério da Economia para se tornar ministro de Minas e Energia. Sachsida está com Bolsonaro desde a campanha eleitoral de 2018 e já havia passado pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia.

O novo ministro já criticou a licença-maternidade de seis meses —que definiu como um "crime" contra as mulheres—, disse que a mulher é mais eficiente fora do mercado de trabalho, defendeu a flexibilização das leis trabalhistas e o fim do imposto sindical e sugeriu que o Partido Nazista alemão, de Adolf Hitler, era de esquerda.

As declarações aparecem em vídeos publicados em 2016 e 2017 em seu canal no YouTube. Em uma das gravações, Sachsida ainda nega que a desigualdade salarial entre homens e mulheres que desempenham as mesmas funções seja "discriminação", dizendo se tratar apenas de um "comportamento racional do empresário".

Procurado pelo UOL, o Ministério de Minas e Energia disse que não vai "comentar assuntos fora do âmbito da pasta".