PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Ricardo Eletro: Denunciado por sonegação, fundador hoje é coach e dá curso

Justiça decretou falência da Ricardo Eletro, fundada por Ricardo Nunes - Reprodução/Instagram
Justiça decretou falência da Ricardo Eletro, fundada por Ricardo Nunes Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

10/06/2022 19h46Atualizada em 15/06/2022 10h29

Fundador da Ricardo Eletro, o empresário Ricardo Nunes, 52, deixou a empresa em 2019, quando a rede já enfrentava uma série de problemas financeiros e um processo de recuperação extrajudicial. Hoje, ele é coach de empreendedorismo, com 170 mil seguidores no Instagram, dando cursos e palestras sobre temas como gestão, marketing, vendas, inovação e crescimento.

Nesta terça-feira (14), o Ministério Público de Minas Gerais denunciou o empresário por suspeita de sonegação de R$ 86 milhões. Ele já foi alvo de outras investigações por sonegação e lavagem de dinheiro.

Na semana passada, a Justiça decretou a falência da Máquina de Vendas, dona da Ricardo Eletro. Mas um despacho da 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial de São Paulo suspendeu a falência no dia seguinte.

Nunes construiu uma gigante do varejo, com 1.200 lojas, 28 mil funcionários e faturamento anual de até R$ 9,5 bilhões. Hoje, não há lojas físicas, e a empresa tem só 40 empregados.

Quando Nunes vendeu sua participação na Ricardo Eletro, em 2019, a companhia já passava por um processo de recuperação extrajudicial, por causa dos bilhões em empréstimos tomados com bancos e fornecedores. Depois, entraria num processo de recuperação judicial, antes de chegar à falência.

Prisão em investigação sobre sonegação de impostos

8.jul.2020 - O empresário Ricardo Nunes, da Ricardo Eletro, foi preso durante investigação por sonegação fiscal e lavagem de dinheiro, em Minas Gerais - Reprodução/TV Globo - Reprodução/TV Globo
8.jul.2020 - O empresário Ricardo Nunes, da Ricardo Eletro, foi preso durante investigação por sonegação fiscal e lavagem de dinheiro, em Minas Gerais
Imagem: Reprodução/TV Globo

A trajetória do empresário também foi marcada por investigações de sonegação de impostos e lavagem de dinheiro durante o período em que estava à frente da empresa. Ele chegou a ser preso por um dia, em julho de 2020.

Na época, o Ministério Público afirmou que apurava a sonegação de cerca de R$ 400 milhões em impostos que deveriam ter sido pagos em Minas Gerais no período de cinco anos.

A Justiça também determinou o sequestro de bens e imóveis do empresário, avaliados em cerca de R$ 60 milhões. Ele passou um dia na prisão e foi solto depois de prestar depoimento.

A reportagem entrou em contato com o Ministério Público e o Tribunal de Justiça de Minas Gerais para saber o andamento do processo, mas não obteve resposta até a publicação deste texto.

O Ministério Público de Minas afirmou que Nunes seguiu à frente da Máquina de Vendas mesmo depois de sua saída como executivo, o que a defesa de Nunes e da empresa negaram, de acordo com a Folha de S.Paulo.

"Dever tributos lançados na contabilidade e declarados ao Fisco, sem qualquer espécie de fraude, não é crime", disse o advogado de Nunes, Marcelo Leonardo, à Folha, após Nunes sair da prisão.

Coach de empreendedorismo nas redes sociais

Nas redes sociais, o perfil de Nunes se chama "Ricardo Nunes Eletro". Em um dos vídeos postados no Instagram, ele afirma ter investido nessa carreira para ajudar empreendedores.

Eu sei a dor do empresário. Chegou um momento em que Deus falou: chega, para de fazer só pra você e faz para os empresários. Quando eu percebi a confusão da pandemia, os empresários sofrendo, vi que chegou a hora de eu me reinventar e ter uma nova missão na vida.
Ricardo Nunes, fundador da Ricardo Eletro

O perfil oferece conteúdos gratuitos para empreendedores, a maioria em formato de vídeo, e uma mentoria paga, chamada RGV Imersão e Mentoria.

O site da mentoria diz que as aulas são destinadas a quem quer "multiplicar o faturamento das suas empresas e liderar o mercado nessa nova fase da economia". Elas são destinadas a negócios que têm de cinco a 400 funcionários, para prestadores de serviços ou profissionais autônomos, segundo o site.

Empresário começou vendendo mexerica

21.dez.2009 - O empresário Ricardo Nunes, numa época em que a Ricardo Eletro estava em expansão - Pedro Silveira/Folhapress - Pedro Silveira/Folhapress
21.dez.2009 - O empresário Ricardo Nunes, numa época em que a Ricardo Eletro estava em expansão
Imagem: Pedro Silveira/Folhapress

Nunes começou sua carreira aos 12 anos, vendendo mexericas em frente a uma faculdade em Divinópolis (MG), para ajudar a mãe a pagar as contas de casa, após a morte do pai.

Quando fez 18 anos, abriu uma loja de 20 metros quadrados em Divinópolis, onde vendia ursinhos de pelúcia e eletrodomésticos.

Nunes comprava os produtos na região da rua 25 de Março, em São Paulo, para revender em sua cidade. O negócio deu certo e foi se expandindo, até a Ricardo Eletro chegar a ser uma gigante do varejo.

Em 2014, Nunes entrou para o Guinness Book, o livro de recordes, como o maior vendedor do mundo. O empresário deixou a empresa em 2019, quando vendeu sua parte para Pedro Bianchi, atual dono da Ricardo Eletro.