PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

Criativos apontam as 5 principais lições do Cannes Lions 2022

Cannes Lions - Divulgação
Cannes Lions Imagem: Divulgação

Karan Novas

Colaboração para o UOL em Cannes (França)

01/07/2022 08h00

Esta é a versão online para a edição desta sexta-feira (1º/7) da newsletter Mídia e Marketing. Para se inscrever nesse e outros boletins e recebê-los no seu email, cadastre-se aqui. Quem assina o UOL ainda recebe 10 newsletters exclusivas.

********

Maior festival de criatividade e publicidade do mundo, o Cannes Lions premia os melhores trabalhos desenvolvidos por agências e anunciantes de todo o planeta.

Também traz palestras, workshops, networking, shows e ativações durante seus cinco dias presenciais na Riviera Francesa. É uma importante fonte de inspiração para novas ideias e negócios.

Cada profissional participa de Cannes com um objetivo e enxerga o festival de uma maneira diferente, trazendo na bagagem, além dos Leões -os famosos troféus da premiação-, lições das mais diversas.

Para entender melhor quais foram os principais aprendizados deste ano, conversamos com cinco representantes da indústria criativa.

Preocupação com o futuro

"Este ano vivemos o festival do reencontro. Depois de um 2020 sem Cannes e um 2021 com uma edição remota, foi muito importante poder trocar pessoalmente, olhar nos olhos daqueles que estavam por trás das ideias que passaram pelo Palais, além de sentir as principais preocupações que movem a criatividade agora. A lição principal é que a criatividade é essencialmente humana e a colaboração é parte fundamental do que somos e do que podemos produzir. Muitas das ideias premiadas trazem isso e, principalmente, manifestam a preocupação com o futuro em sua essência. Um reflexo de tudo que estamos vivendo" - Juliana Leite, diretora criativa de projetos especiais da Africa.

Trocas presenciais

"Cannes 2022 deixa duas lições centrais. A primeira é sobre o quanto o encontro presencial é inspirador para a indústria criativa. Trocar em um ambiente informal, com clientes e pares de diferentes países e culturas, é uma experiência que impacta diretamente na nossa visão de mundo e, consequentemente, no nosso trabalho, além de fortalecer um senso de comunidade muito importante para o mercado. A segunda lição é sobre o papel cada vez mais ativista das marcas em relação a diferentes causas. Neste ano, a sustentabilidade liderou os debates, mas já vimos isso ocorrer também com foco nas questões de gênero e raciais, por exemplo" - Rafael Pitanguy, CCO (chief creative officer) da VMLY&R.

Ainda falta mais diversidade

"Na minha opinião, a maior lição de Cannes este ano é que ainda falta muito interesse real da nossa indústria branca pela diversidade. A praia mais diversa de Cannes, onde as conversas mais interessantes aconteceram, com presença gigante de negros (e o show do NAS) foi a Inkwell Beach. E eu vi muitos poucos criativos brancos do Brasil passando por lá. Quase nenhum" - Felipe Silva, sócio e diretor de criação da agência Gana


A Inkwell Beach foi um espaço de ativações do coletivo Cannes Can, nascido em 2019 e que tem como objetivo destacar durante o festival cases que tragam como tema central equidade, diversidade e inclusão.

Homens cis brancos ainda dominam

"Foi incrível rever e conhecer tanta gente. A Inkwell Beach foi um dos melhores lugares para estar, muitos papos sobre mudanças reais e o melhor almoço. Para mim, é muito interessante que o maior prêmio de filme tenha sido sobre portadores de deficiência, mas o Festival tenha tão pouca acessibilidade. Mesmo em cases sobre grupos de mulheres, LGTQIA+ e pessoas negras, ainda são os homens cis brancos que sobem ao palco. Estamos tendo discussões, mas poucas ações" - Joana Mendes, presidente do Clube de Criação.

Inspiração direto da fonte

"Estar em Cannes é como beber água direto da fonte. A experiência de ter participado desse evento tão grande e importante pra gente que trabalha com publicidade foi incrível. É como se fosse uma imersão nos trabalhos que posteriormente viram nossas referências. Além da oportunidade de acompanhar as palestras e ver as premiações de perto, conhecemos pessoas do mundo inteiro, que na minha opinião acabam sendo nossa maior fonte de inspiração" - Letícia Kohanoski, diretora de arte da Tech and Soul, participante do Young Lions - projeto do festival que incentiva a participação de jovens profissionais no evento, ajudando a formar os novos líderes da indústria.