IPCA
0.01 Jun.2019
Topo

Fitch diz que ainda vê elementos que apoiam grau de investimento do Brasil

UESLEI MARCELINO
Imagem: UESLEI MARCELINO

2015-09-10T14:05:41

2015-09-10T19:01:50

10/09/2015 14h05Atualizada em 10/09/2015 19h01

NOVA YORK (Reuters) - A agência de classificação de riscos Fitch ainda vê elementos apoiando o grau de investimento do Brasil, disse a analista sênior Shelly Shetty, aliviando os receios do mercado de que a agência poderia seguir os passos da Standard & Poor's e colocar o Brasil em território especulativo.

Falando em uma conferência da Fitch em Nova York, Shelly disse, no entanto, que o rating do Brasil está se deteriorando e que há uma chance maior do que 50% de que o país seja rebaixado.

No entanto, um corte em um degrau ainda manteria o Brasil com o selo de bom pagador, uma vez que a Fitch atualmente classifica o país como "BBB", ou dois degraus acima do território especulativo, com uma perspectiva negativa.

"Claramente há elementos que ainda apoiam as credenciais de grau de investimento", disse Shelly a investidores, citando a diversidade econômica do Brasil, níveis de renda per capta e a condição do governo de credor em dólares.

"Dito isso, claramente a direção (do rating) é negativa e isso está refletido em nossa perspectiva", afirmou.

A trajetória da nota do Brasil vai depender fortemente do consenso político sobre sólidas políticas fiscais e macroeconômicas, acrescentou Shelly.

S&P

A agência de classificação de riscos Standard & Poor's, que cortou a nota do Brasil e tirou o selo de bom pagador na véspera, pode revisar a perspectiva da nota do Brasil para estável ante negativa se o país resolver as questões políticas que estão impedindo medidas de austeridade, disse a analista Lisa Schineller em uma teleconferência nesta quinta-feira. 

Segundo a analista, o orçamento anunciado recentemente, que trouxe uma inédita projeção de deficit primário, foi peça chave na decisão de rebaixar a nota do país.

A S&P espera ações do governo brasileiro para melhorar a situação fiscal do país e vai monitorar as medidas de austeridade que serão propostas para avaliar o que é de longa duração e o que é temporário.

(Por Tariro Mzezewa e Walter Brandimarte)

Entenda o que é o ajuste fiscal do governo em um minuto

Mais Economia