PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

FMI: Pode ser a hora de a China apertar política monetária, e não afrouxar

Por Marc Jones

06/05/2016 15h36

LONDRES, 6 Mai (Reuters) - Pode ser a hora de a China apertar sua política monetária, ao invés de afrouxá-la ainda mais, para evitar o risco de superaquecimento em partes da economia, disse o vice-chefe da divisão para a Ásia do FMI (Fundo Monetário Internacional), Roberto Guimarães, nesta sexta-feira (6).

Guimarães disse à agência de notícias Reuters que mais cortes da taxa de juros chinesa e novos estímulos podem aumentar a chance de crescimento nocivo da dívida.

"Às vezes é preciso dar um empurrão para iniciar o crescimento, se o crescimento está desacelerando muito rapidamente, mas ao mesmo tempo não se quer reanimar antigos mecanismos de crescimento. Assim, a política monetária [no presente] talvez vá muito nesta direção", disse Guimarães em um evento organizado pelo instituto de pesquisa CSFI.

A opinião pode gerar alguma desaprovação. Uma série de medidas de afrouxamento da China no começo do ano ajudaram a estabilizar os agitados mercados globais, e mais de 50 bancos centrais cortaram seus juros ou usaram outras formas de afrouxamento desde o começo de 2015.

Para o FMI, entretanto, há preocupações. A dívida corporativa da China agora está em cerca de 160 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), e já disse que as vulnerabilidades do crédito corporativo precisam ser urgentemente resolvidas.

"O primeiro passo seria não afrouxar a política monetária ainda mais", disse Guimarães. "Um segundo seria sinalizar que talvez haverá algum tipo de normalização da política monetária, elevar os juros gradualmente ou ter a liquidez administrada para garantir que não haja um excesso no sistema", completou.

Parte do motivo para essa visão é que, apesar de suas preocupações com a dívida, o FMI não espera um repentino "pouco forçado" da economia da China.