Bolsas

Câmbio

Governo avaliará sugestão do FMI sobre reforma da Previdência, diz ministro

  • Pedro Ladeira/Folhapress

    O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles

    O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles

SÃO PAULO, 30 Set (Reuters) - O governo brasileiro vai avaliar a sugestão do FMI (Fundo Monetário Internacional) para que seja desvinculado o reajuste do salário mínimo dos benefícios previdenciários, disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, nesta sexta-feira (30).

"Eles fizeram também recomendação que evidentemente será objeto de análise, porque isso é questão dos benefícios previdenciários, portanto isso tudo estará no âmbito da reforma da Previdência", disse o ministro a jornalistas ao ser questionado sobre a proposta do FMI, em evento promovido pela revista Exame em São Paulo.

Em relatório divulgado na quinta-feira (29) sobre a economia brasileira, o FMI afirmou que a regra de aumento do salário mínimo afeta as aposentadorias e pensões, causando grande pressão nas contas públicas e que deve ser revista.

"Isso é um assunto já colocado na medida em que a reforma da Previdência ainda está em discussão."

O FMI também sugeriu que a fórmula de reajuste do salário mínimo deve ser revista para refletir a melhora da produtividade.

Meirelles destacou, ainda, que o relatório do FMI está em linha com as medidas que o governo do presidente Michel Temer vem propondo e ressaltou a importância da aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que limita dos gastos públicos.

Respeito ao Orçamento

Meirelles disse que Orçamento de 2017 já vai respeitar o limite de crescimento dos gastos à inflação deste ano, como propõe a PEC para os próximos 20 anos, mas que para a recuperação da economia é importante a aprovação da medida.

"Orçamentariamente a PEC do teto dos gastos já está em vigor, mas para a formação da expectativa é importante a sua aprovação", afirmou, acrescentando que essa aprovação deve ocorrer até o fim do ano.

Na segunda-feira, o ministro vai se reunir em Brasília com parlamentares para definir os últimos ajustes da proposta antes do envio do projeto ao Congresso Nacional.

"Nós já estamos na fase de negociação com o relator para apresentação da proposta na comissão de especial", afirmou. "No dia 6 de outubro deve ocorrer a votação na comissão especial."

A expectativa, disse o ministro, é que a votação da PEC pelo plenário da Câmara em dois turnos ocorra em outubro.

Depois da PEC

Meirelles disse que, após a provação da PEC, a equipe econômica vai começar a discutir medidas complementares e a reforma da Previdência.
"Precisamos discutir prioridades no Orçamento após definirmos um limite para o aumento dos gastos", disse.

Mais cedo, o secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, afirmou à Reuters que o governo do presidente Michel Temer planeja enviar uma reforma de Previdência ao Congresso Nacional entre o final de outubro e o início de novembro

(Reportagem Natália Scalzaretto; Texto de Luiz Gerbelli; Edição de Raquel Stenzel)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos