Bolsas

Câmbio

Samsung amplia para US$ 224 bi valor de mercado após prometer retornos maiores aos acionistas

SEUL (Reuters) - A Samsung Electronics ampliou em US$ 9 bilhões seu valor de mercado na quarta-feira, para US$ 224 bilhões, depois que suas ações atingiram máximas recordes, impulsionadas por promessas de retornos maiores aos acionistas e revisão na estrutura corporativa.

Os papéis da companhia subiram 4,2% na máxima da sessão, para um patamar recorde de 1,747 milhão de wons (US$ 1.496,74). Até agora neste ano, a alta acumulada é de 38%.

Pressionada pelo fundo de hedge norte-americano Elliott Management, a empresa sul-coreana informou na terça-feira que planejava devolver 50% do fluxo de caixa livre em 2016 e 2017, bem como ofereceu elevar em 36% os dividendos totais a serem distribuídos neste ano.

A Samsung ainda prometeu expandir os esforços para recompra de ações, depois de ter recomprado um recorde de 11,4 trilhões de wons (US$ 9,8 bilhões) neste ano.

Ainda que as medidas tenham ficado aquém do proposto pelo Elliot em outubro, analistas e investidores avaliam que o anúncio da maior fabricante de smartphones do mundo vieram em linha com o esperado e é um passo na direção certa.

A Elliot pediu à Samsung que pagasse 30 trilhões de wons em dividendos extraordinários e retornasse 75% do fluxo de caixa livre.

"Enquanto a Samsung mantiver níveis de fluxo de caixa saudáveis e conseguir recomprar e cancelar mais ações, os dividendos por ação continuarão subindo", comentou Kim Hyun-su, gestor de fundos do IBK Asset Management.

Para o Elliot, as medidas anunciadas pela Samsung são um "passo inicial construtivo", mas o fundo de hedge sinalizou querer mais e sugeriu manter a empresa sul-coreana sob pressão.

Recall global

A Samsung se envolveu em um escândalo global neste ano, após os celulares Note 7 pegarem fogo, levando a um recall mundial. Alguns clientes relataram que os celulares consertados estavam superaquecendo, levando a Samsung a recolher os substitutos também.

Segundo uma pesquisa de opinião Reuters/Ipsos divulgada na semana passada, porém, o recall aparentemente não prejudicou a disposição dos consumidores norte-americanos de comprar aparelhos da Samsung. A pesquisa mostrou que as pessoas com conhecimento do recall estavam tão interessadas nos celulares da marca quanto aquelas que não sabiam.

(Por Se Young Lee)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos