Funcionários da BRF se mobilizam para negociações salariais após prejuízo de 2016

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - Representantes de trabalhadores da BRF estão se mobilizando de olho nas negociações salariais previstas para começar este mês após a companhia de alimentos anunciar prejuízo de 372 milhões de reais em 2016.

Diante da perda, a empresa comunicou a funcionários que não haverá distribuição de recursos relacionados à participação de lucros e resultados (PLR) do período nas unidades que têm esse benefício.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias de Alimentação e Afins (CNTA Afins), Artur Bueno de Camargo, destacou que em todo o ano de 2016 a empresa sinalizou aos funcionários que eles estavam atingindo os patamares de produção e qualidade que compõem a PLR.

"Nossa grande preocupação é que este mês começam as negociações coletivas de trabalho e se empresa se posicionou assim sobre a PLR pode querer fazer o mesmo nas negociações coletivas", afirmou à Reuters.

Em nota, a BRF afirmou que as regras de pagamento da PLR são transparentes e amplamente divulgadas para todos os colaboradores da companhia e que o não pagamento do benefício considera o resultado aferido no exercício de 2016, divulgado aos funcionários e ao mercado em 23 de fevereiro.

Segundo a BRF, a companhia sempre trabalha para obtenção de resultados que possibilitem o pagamento de PLR, resultados esses que não foram atingidos no ano passado.

"O cenário brasileiro e os desafios de pressão de custos são de conhecimento amplo dos colaboradores e as razões fundamentais para o não pagamento do PLR"

A CNTA Afins realizará na quarta-feira em São Paulo encontro nacional com representantes de sindicatos e federações para discutir o assunto e apresentar uma pauta unificada.

"Queremos fazer essa discussão na quarta-feira, obter um posicionamento e começar a mobilizar os trabalhadores para uma ação nacional", disse Camargo, que não descarta a possibilidade de paralisações.

A BRF reiterou na nota que sempre esteve e está disposta a dialogar com os sindicatos e entidades representativas na busca do que seja melhor para seus colaboradores, dentro das regras existentes e das possibilidades econômicas.

Na teleconferência sobre os números de 2016, executivos da empresa afirmaram que a BRF está ajustando seu modelo de gestão a fim de corrigir erros e lidar com dificuldades que pressionaram os resultados da companhia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos