Esboço de comunicado do G20 tira rejeição a protecionismo e desvalorização competitiva

Por Jan Strupczewski

BRUXELAS (Reuters) - Os líderes financeiros mundiais podem não mais rejeitar explicitamente o protecionismo e desvalorizações cambiais competitivas, segundo esboço do comunicado da reunião do grupo na próxima semana, prometendo apenas manter um "sistema aberto e justo de comércio internacional".

Ministros das finanças e chefes de bancos centrais do G20 vão se reunir em 17 e 18 de março na cidade alemã de Baden Baden para discutir a economia mundial.

Será a primeira reunião de ministros de Finanças do G20 com a participação de representantes do governo do novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que tem mais visões protecionistas sobre o comércio.

Um esboço do comunicado visto pela Reuters, que pode mudar até 18 de março, parece acomodar a nova posição dos Estados Unidos.

O esboço, datado de 1º de março, retira a frase adotada pelos ministros de Finanças do G20 no ano passado para "resistir a todas as formas de protecionismo". Um alerta conta o protecionismo tem aparecido nos comunicados do G20 há mais de uma década.

"A falta de qualquer referência ao protecionismo no esboço é estranha", disse uma autoridade próxima dos preparativos para a reunião. "Talvez seja um mínimo com o qual todos concordam."

O esboço não contém mais a frase, usada em comunicados anteriores, de que o G20 deve "evitar desvalorizações competitivas" e não deve "ter como meta nossas taxas cambiais para propósitos competitivos."

Em vez disso, o texto diz: "Vamos manter um sistema de comércio internacional aberto e justo" e "Reafirmamos nossos compromissos anteriores em relação ao câmbio".

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos