Volkswagen deixa porta aberta para fusões e aquisições

WOLFSBURG, Alemanha (Reuters) - A Volkswagen deixou a porta aberta a uma potencial parceria com a Fiat Chrysler ou outro rival nesta terça-feira, uma vez que uma queda no lucro operacional em sua maior marca de automóveis mostrou os desafios que a empresa ainda enfrenta 18 meses após o seu escândalo de emissões.

A empresa alemã deve ver maior concorrência na Europa após o Grupo PSA , fabricante da Peugeot, concordar este mês em comprar a divisão Opel da General Motors para criar um segundo participante mais forte na região atrás da VW.

O chefe da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) , Sergio Marchionne, disse na semana passada que o acordo poderia eventualmente persuadir a VW a procurar um relacionamento com sua própria empresa, uma sugestão que foi rapidamente rejeitada pela VW.

Mas em uma aparente mudança de tom, o presidente-executivo da montadora alemã, Matthias Mueller, sinalizou nesta terça-feira que ele pode estar interessado em parcerias.

"Estamos mais abertos nessa conta do que costumávamos ser anteriormente", disse ele, quando a VW apresentou seus resultados detalhados em 2016, acrescentando que isso "não tinha nada a ver com a FCA especificamente".

"Seria muito útil se o Sr. Marchionne comunicasse suas considerações para mim também e não apenas para vocês", disse a jornalistas.

Uma combinação da VW e da FCA poderia, teoricamente, criar um gigante do mercado europeu com uma participação de cerca de 30 por cento, dar para a VW um forte apoio na América do Norte através de operações da Chrysler da FCA e corrigir a falta de escala da FCA na Ásia.

Mas qualquer vínculo também significaria milhares de perdas de empregos que os sindicatos e políticos da Itália e da Alemanha se oporiam fortemente.

A Volkswagen disse no mês passado que o grupo registrou lucro operacional recorde em 2016, excluindo itens extraordinários, ajudado pelo forte desempenho dos seus caros esportes Porsche e uma recuperação no seu negócio de caminhões Scania.

Ao detalhar os dados pela primeira vez, a companhia disse nesta terça-feira que o lucro operacional subjacente da sua marca VW caiu 10 por cento, para 1,9 bilhão de euros, com a margem do lucro recuando para 1,8 por cento ante 2 por cento em 2015.(Reportagem de Andreas Cremer)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos