BC do Japão faz melhor avaliação econômica em 9 anos, mas alerta que fim do estímulo está distante

Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) - O banco central do Japão fez sua mais otimista avaliação da economia em nove anos nesta quinta-feira em sua reunião de política monetária, e descreveu a recente fraqueza da inflação como temporária, sinalizando confiança de que uma recuperação sustentada ajudará a alcançar sua ambiciosa meta de preços.

O Banco do Japão manteve como esperado sua política monetária, mas o presidente Haruhiko Kuroda admitiu que as percepções do público sobre as futuras altas de preços permanecem fracas, sugerindo que o banco central vai ficar atrás em relação às autoridades monetárias de Estados Unidos e Europa em encerrar seu forte programa de estímulo.

O otimismo sobre a economia e a cautela sobre o cenário para a inflação mostram que o Banco do Japão prefere manter o status quo sobre a política monetária por enquanto, dizem analistas.

"As projeções de inflação e crescimento, assim como a melhora na avaliação econômica, ficaram todas em linha com as projeções do mercado, então não houve surpresa nessa reunião", disse Yasunari Ueno, economista-chefe de mercado do Mizuho Securities.

"Enquanto a economia mantiver seu ímpeto, o Banco do Japão vai provavelmente manter a política monetária até a próxima primavera, quando Kuroda encerra seu mandato."

O banco central japonês manteve sua meta de taxa de juros de curto prazo em -0,1 por cento e a promessa de guiar os rendimentos dos títulos do governo de 10 anos em torno de zero.

Também deixou inalterada a promessa de comprar títulos do governo para que sua carteira aumente a um ritmo anual de 80 trilhões de ienes (719 bilhões de dólares), diante de especulações do mercado de que essa orientação poderia ser removida para abrir caminho a uma eventual retirada do estímulo.

"A economia do Japão tem avançado para uma expansão moderada", disse o banco central na revisão trimestral de suas projeções econômicas e de preços de longo prazo, contra a avaliação do mês anterior de que estava "melhorando moderadamente como tendência".

Foi a primeira vez desde março de 2008 que o banco central do Japão usou a palavra "expansão" para descrever a situação da economia, sinalizando sua convicção de que a recuperação está ganhando força e que não vê necessidade de estímulo adicional.

Apesar da visão econômica favorável, Kuroda lembrou aos mercados que o banco central não está nem perto de um fim de seu forte estímulo.

"Esperamos que a inflação acelere na direção de 2 por cento, mas atualmente a inflação está em torno de zero", disse Kuroda a repórteres.

"Falar especificamente de uma estratégia de saída causaria confusão indevida nos mercados", disse ele. "A condição para que tal debate aconteça é que a inflação alcance 2 por cento."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos