Bolsas

Câmbio

Governo enviará ao Congresso projeto de lei para poder intervir em operadoras de telefonia

Por Leonardo Goy

BRASÍLIA (Reuters) - O governo federal preparou um projeto de lei e uma medida provisória com o arcabouço legal para intervenções em operadoras de telefonia e regras para a conversão de multas em investimentos no caso de empresas do setor que estejam comprovadamente em dificuldades financeiras.

As regras da intervenção propriamente dita estão contempladas no projeto de lei. Segundo o presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Juarez Quadros, o governo decidiu fazer essas mudanças por meio de projeto e lei, e não por MP, como foi cogitado, para evitar questionamentos jurídicos.

"A decisão é que fosse feito um projeto de lei para evitar conflito com a disposição constitucional que determina que a Lei Geral de Telecomunicações só poder ser alterada por outra lei”, disse Quadros.

Pela emenda constitucional número 8, de 15 de agosto de 1995, "é vedada a adoção de medida provisória para regulamentar" serviços de telecomunicações prestados diretamente pela União ou "mediante autorização, concessão ou permissão.

Segundo Quadros, o PL, que ainda não tem prazo para ser enviado ao Congresso, tramitará em regime de urgência.

O PL prevê, por exemplo, a autorização para que ao governo intervenha em operadoras que estejam em recuperação judicial, caso da Oi, que apresentou em junho do ano passado o maior pedido da história do país sob peso de dívidas de mais de 65 bilhões de reais.

Quadros ressaltou que a Anatel ainda aguarda uma solução negociada para a Oi e que uma eventual intervenção, se necessária, só ocorreria após a assembleia de credores da empresa, que deve ocorrer entre agosto e setembro.

“Se for necessária uma intervenção. É melhor que seja com o PL já sancionado”, disse Quadros.

O projeto de lei traria mais segurança jurídica a uma eventual intervenção na Oi, não somente por conta da recuperação judicial, mas também porque o PL estenderá a possibilidade de intervenção a serviços prestados fora do regime de concessão, como a telefonia móvel.

A proposta prevê também que eventuais intervenções em operadoras de telecomunicações valerão por até um ano, prazo prorrogável uma vez por até mais dois anos.

CONVERSÃO DE MULTAS

Segundo Quadros, a medida provisória preparada pelo governo terá regras para as operadoras pleitearem a troca de dívidas com o poder público, como multas junto à Agência Nacional de Telecomunicações, em investimentos.

A medida só valerá para empresas que estejam comprovadamente em dificuldades financeiras, que coloquem em risco a prestação dos serviços.

Se aplicada para a Oi, essa possibilidade de conversão pode significar um alívio para a empresa, que segundo técnicos da Anatel tem uma dívida de cerca de 15 bilhões de reais em multas junto à agência.

Os investimentos a serem feitos com os recursos, porém, seriam escolhidos pelo governo, com foco em expansão de serviços em mercados menos atrativos. “Seriam projetos de interesse do poder público”, disse Quadros.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos