Bolsas

Câmbio

Cortes de custos e venda da NTS devem impulsionar lucro da Petrobras no 1ºtri

Por Guillermo Parra-Bernal e Marta Nogueira

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras deverá publicar na quinta-feira seu maior lucro em quase dois anos nos primeiros três meses do ano, beneficiando-se de cortes de custos e de ganhos extraordinários com a venda de uma unidade de gasodutos por 5,2 bilhões de dólares, disseram analistas.    O lucro líquido da petroleira estatal deverá atingir 3,773 bilhões de reais no primeiro trimestre, revertendo uma perda de 1,246 bilhão de reais no mesmo período do ano anterior, segundo a média de estimativas compiladas pela Thomson Reuters.

O lucro no quarto trimestre foi de 2,510 bilhões de reais.    A administração da Petrobras vai publicar seus resultados após o fechamento do mercado na quinta-feira. Os executivos vão discutir os números com os analistas na sexta-feira.    A gestão do presidente Pedro Parente na companhia reduziu custos, melhorou a eficiência de campos e reduziu revisões de valores de alguns ativos para aumentar a rentabilidade e a geração de fluxo de caixa livre. Tais medidas têm atenuado o impacto de investigações sobre corrupção que desencadearam grandes baixas contábeis e ações judiciais de investidores contra a estatal.    Uma moeda estável no último trimestre também ajudou a reduzir os custos do serviço da dívida da Petrobras, a empresa de petróleo mais endividada do mundo. Os preços médios do petróleo Brent subiram 2 por cento no trimestre, ajudando a compensar a produção ligeiramente mais baixa e o aumento dos custos de produção, disseram analistas.    A Petrobras poderá ainda registrar um ganho significativo com a venda de 90 por cento da unidade de gasodutos Nova Transportadora Sudeste (NTS) para um grupo liderado pela Brookfield Asset Management. Alguns analistas esperam que a venda da NTS produza um ganho antes de impostos de 1,9 bilhão de dólares para a Petrobras.    Os investidores deverão focar os comentários da administração sobre o status do plano de venda de ativos de 21 bilhões de dólares da Petrobras em 2017-2018, as perspectivas de produção e gastos de capital para este ano e como a empresa fará provisões para 216 bilhões de reais relativos a passivos contingentes, disseram analistas.    As ações preferenciais da Petrobras, a classe mais negociada da empresa, caíram 5,8 por cento nos últimos três meses, enquanto o índice Bovespa subiu 2,4 por cento no mesmo período.    O desempenho das ações é devido, em parte, a atrasos no plano de Parente de venda de ativos não considerados essenciais, em meio a uma supervisão regulatória mais rigorosa, ao tamanho dos passivos contingentes e, especialmente, à preocupação com a queda dos preços do petróleo.    A receita líquida provavelmente atingiu cerca de 68,828 bilhões de reais no último trimestre, segundo a pesquisa da Reuters, queda de 2 por cento na comparação com o trimestre anterior e também com o mesmo trimestre do ano passado. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) deverá atingir 23,874 bilhões de reais, alta de 13 por cento em base anual.    A seguir, uma tabela com as estimativas de consenso dos analistas para os principais indicadores do primeiro trimestre da Petrobras.

1ºtri de 2017 4ºtri de 2016 1ºtri de 2016 Diferença

(prévia)

1T17 x 1T17x

4T16 (%) 1T16 (%)

Receita Líquida 68,828 70,489 70,337 -2,4 -2,1

Lucro Líquido 3,773 2,510 -1,246 50,3 N/A

EBITDA Ajustado 23,874 24,788 21,091 -3,7 13,2

Margem EBITDA 34,7% 35,2% 30% N/A N/A

ajustado

*Em bilhões de reais

((Tradução Redação Rio de Janeiro, 5521 2223-7104))

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos