Bolsas

Câmbio

Renuka começa a pagar créditos trabalhistas e fornecedores no dia 5, diz fonte

SÃO PAULO (Reuters) - A Renuka do Brasil, grupo sucroenergético em recuperação judicial com duas usinas de cana-de-açúcar no Estado de São Paulo, começa a pagar a partir de quarta-feira, dia 5, as 12 parcelas de créditos trabalhistas, de fornecedores estratégicos e de pequenas e microempresas, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto nesta segunda-feira.

Os recursos para esses pagamentos virão do fluxo de caixa da Renuka do Brasil, subsidiária da maior produtora de açúcar bruto da Índia, acrescentou a fonte, na condição de anonimato. Não havia informações sobre o total devido a esses credores menores.

A indiana Shree Renuka Sugars iniciou investimentos no país em 2010, tendo sido atingida juntamente com o restante do setor por baixos preços do açúcar e pelo controle de preços de combustíveis que vigorou em governos anteriores.

A Renuka do Brasil tem dívida de cerca de 2,7 bilhões de reais.

O pagamento dos credores menores, como fornecedores de cana e trabalhadores da empresa, faz parte do processo da companhia para sair da recuperação judicial.

Já o pagamento dos grandes credores, o que incluem instituições financeiras, vai se dar com o dinheiro levantado após o leilão da Usina Revati, em Brejo Alegre (SP).

O pregão da Revati deverá acontecer em 4 de setembro, 90 dias após a homologação pela Justiça do aditamento no plano de recuperação aprovado no fim de maio.

O processo de recuperação judicial da Renuka do Brasil se arrasta desde outubro de 2015.

No ano passado, os credores chegaram a aprovar um plano que previa a venda da Usina Madhu, em Promissão (SP). A unidade foi a leilão em dezembro por 700 milhões de reais, mas não atraiu interessados.

Para janeiro deste ano, estava previsto outro leilão da Madhu, com lances livres. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no entanto, pediu a suspensão do pregão, por ser titular das garantias hipotecárias.

Desde então, a companhia vinha tentando marcar outras assembleias para tratar da situação da empresa, inclusive com uma proposta de leilão da Revati, a qual se concretizou em maio.

A Revati, que tem capacidade instalada para moer 4 milhões de toneladas de cana por safra, deve ser leiloada como uma Unidade Produtiva Isolada (UPI), ou seja, sem pendências para o comprador. Com o dinheiro a ser arrecadado em uma eventual venda, a Renuka do Brasil espera pagar 30 por cento do crédito dos bancos.

As duas unidades da companhia podem processar mais de 10,5 milhões de toneladas de cana por safra.

(Por José Roberto Gomes)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos