Bolsas

Câmbio

"Nosso plano A, B, C, D e E é Lula candidato em 2018", diz líder do PT na Câmara

Por Ricardo Brito e Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O líder do PT na Câmara, Carlos Zarattini (SP), disse nesta quinta-feira que o partido só trabalha com o cenário que tem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como candidato ao Palácio do Planalto em 2018, embora --diante da possibilidade de ele ser barrado por razões jurídicas-- não descarte totalmente a hipótese de apoiar um nome de outra legenda.

"A gente não fecha a porta para outro candidato. Agora o nosso plano A, B, C, D e E é Lula candidato", disse o deputado em entrevista à Reuters.

"Não estamos trabalhando com a hipótese de ser outro candidato, é o nome mais forte, mais viável eleitoralmente, politicamente é um camarada que é a maior liderança do país. Para a gente abrir mão do Lula e ficar discutindo plano B, não tem nenhum sentido", acrescentou.

No dia 12 de julho, o juiz federal Sérgio Moro condenou o ex-presidente --líder nas principais pesquisas de intenção de voto para 2018-- por lavagem de dinheiro e corrupção passiva no processo que envolve a compra de um tríplex no Guarujá (SP).

Pela Lei da Ficha Limpa, Lula ficaria impedido de concorrer a cargo eletivo no próximo ano se o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) confirmar a sentença dele até a eleição. Outra restrição é que, no caso de confirmação da sentença, o TRF-4 pode determinar a prisão de Lula.

Zarattini defendeu que Lula é "absolutamente inocente" no processo. Para o deputado, a única prova do processo é a delação do ex-presidente da OAS Leo Pinheiro, que acusou o ex-presidente de ser o dono oculto do apartamento. Segundo o petista, Pinheiro fez delação porque estava preso havia um ano, fora condenado a 23 anos de prisão e, idoso, iria passar o resto da vida na cadeia.

Zarattini afirmou que, embora seja cedo para falar de alianças para 2018, a tendência é que partidos que atualmente apoiam o governo do presidente Michel Temer não fiquem coligados com Lula. "Quem ficar com Temer, para nós não interessa porque nós somos oposição radical ao governo. Então, como é que vamos compor com alguém que está no governo?" questionou.

Desde a corrida de 2002, os candidatos do PT incluíram em suas coligações, além de partidos de esquerda, legendas de centro e até direita para estruturar as respectivas campanhas do partido a presidente.

BOLSONARO

O petista avaliou que o deputado Jair Bolsonaro (RJ), bem cotado nas pesquisas para o Planalto, que recentemente decidiu se filiar ao pequeno PEN para ser candidato a presidente, corre o risco de não ter condições para viabilizar a sua campanha.

Segundo Zarattini, Bolsonaro não vai ter "nenhum partido estruturado nacionalmente nem ter tempo de TV".

"Como ele vai fazer campanha para ser vitorioso? Nem sempre é possível fazer o impossível", ironizou.

O líder do PT citou o exemplo do atual prefeito de São Paulo, João Dória, que, apesar de não ser um político tradicional, tinha por trás o apoio da máquina do PSDB de São Paulo, partido que governa o Estado de São Paulo há mais de duas décadas.

O próprio Bolsonaro, no entanto, tem crescido nas pesquisas de opinião sem contar praticamente com o apoio de seu atual partido, o também pequeno PSC.

(Reportagem adicional de Anthony Boadle)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos