Bolsas

Câmbio

Espanha vai facilitar saída de empresas da Catalunha em meio a precupações com crise

MADRI (Reuters) - O governo espanhol emitirá um decreto, na sexta-feira, tornando mais fácil para as empresas transferirem suas sedes jurídicas da Catalunha, disseram duas fontes, em uma medida que poderia causar um sério golpe às finanças da região, que considera declarar independência da Espanha.

O decreto é feito sob medida para o banco espanhol Caixabank, disseram fontes familiares com o assunto, uma vez que permitiria que o banco transferisse sua sede jurídica e tributária para outro local sem ter que realizar uma assembleia de acionistas, conforme estabelecido no estatuto.

"O governo está trabalhando na mudança da lei para que não seja mais necessário ter uma assembleia de acionistas, o que atrasaria a mudança da sede jurídica em caso de emergência", disse uma das fontes.

O governo e o Caixabank se recusaram a comentar.

A diretoria do Caixabank se reunirá na sexta-feira para estudar uma possível transferência de sua sede legal para longe da Catalunha, devido à incerteza política na região, disse uma fonte familiar com a situação.

O Caixabank é a maior empresa de Catalunha por valor de mercado e representa cerca de 50 por cento do setor bancário da região.

O catalão Sabadell, quinto maior banco da Espanha, decidiu na quinta-feira transferir sua sede da Catalunha para Alicante, na costa leste da Espanha.

O parlamento da Catalunha estava planejando declarar a independência da região na segunda-feira, depois de um referendo proibido marcado por violência no fim de semana passado. Esse plano foi posto em dúvida na quinta-feira, após o Tribunal Constitucional espanhol ordenou que a sessão de segunda-feira do parlamento catalão seja suspensa.

A crise política "gerou incertezas que estão paralisando todos os projetos de investimento na Catalunha", disse o ministro espanhol da Economia, Luis de Guindos, à Reuters na quinta-feira.

"Estou convencido de que, neste momento, nenhum investidor internacional ou nacional vai participar de um projeto de investimento novo até que isso seja esclarecido", disse ele.

As ações em Sabadell e Caixabank caíram nesta semana. Mas as informações de que os bancos podem deixar a Catalunha levaram a um salto das ações nesta sessão, com o Sabadell subindo 6 por cento e o Caixabank avançando 5 por cento.

O parlamento da Catalunha estava planejando declarar a independência na próxima segunda-feira, depois de um referendo proibido marcado pela violência que aconteceu no último final de semana.

O plano do governo espanhol de vender uma participação no banco estatal Bankia também foi adiado por causa da incerteza, disse de Guindos. Madri voltará a olhar para essa questão novamente uma vez que a situação catalã tenha sido resolvida, disse ele.

No entanto, a declaração unilateral planejada de independência da Catalunha não teve qualquer impacto na produção econômica geral da Espanha, disse Guindos, reiterando que espera crescimento de mais de 3 por cento este ano.

Os mercados financeiros foram abalados esta semana pelos temores de que a secessão prejudicará a quarta maior economia da zona do euro, causando um duro golpe às finanças da Espanha e colocando a economia catalã em parafuso.

A Catalunha é um centro industrial e de turismo que reponde por um quinto da economia espanhola, sendo base de produção para grandes multinacionais como Volkswagen e Nestlé, além de abrigar porto marítimo de mais rápido crescimento da Europa.

(Por Andrés González e Carlos Ruano)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos