Bolsas

Câmbio

"Não posso deixar estragar esse coração", diz carioca que recebeu órgão de alemão morto na Rio 2016

Por Maria Clara Pestre

    RIO DE JANEIRO, 9 Out (Reuters) - O coração do ex-técnico da equipe alemã de canoagem slalom Stefan Henze, que morreu após sofrer um acidente de carro durante a Olimpíada do Rio de Janeiro no ano passado, está batendo de novo pelo esporte.

    A carioca Ivonette Balthazar, de 67 anos, recebeu a doação do órgão do medalhista de prata dos Jogos de 2004 após passar 1 ano e 8 meses na fila de transplantes, e agora está pronta para retomar sua vida.

    "Antes, a gente quer fazer as coisas, mas vai empurrando para amanhã, e hoje eu estou vendo a coisa de uma outra maneira. Não tem que deixar nada para amanhã. Tem vontade de fazer, faz e faz hoje", disse Ivonette à Reuters.

    Após sofrer um infarto em 2012, a aposentada perdeu massa muscular e parte dos movimentos. "Eu tinha 60 por cento do meu coração necrosado. A cama era minha área de conforto", disse.

    Agora, pouco mais de um ano após o transplante, Ivonette entrou no processo de reabilitação e participou pela primeira vez de um evento esportivo, uma caminhada de 3 quilômetros na praia de Copacabana, ao lado do neto de 7 anos.

    "Hoje a minha meta é fazer cada vez mais. O corpo pede, e eu não posso deixar estragar esse coração", disse Ivonette, que também pretende se aventurar na canoagem, esporte de Henze. "Eu ainda vou pegar uma canoa na lagoa e dar as meus remos." 

    Para o médico Daniel Kopiler, responsável pela reabilitação cardíaca do Instituto Nacional de Cardiologia, o transplante vai permitir que Ivonette mude sua história de vida.

   "Ela vai poder passar a fazer coisas que ela jamais sonhava que pudesse voltar a fazer. Isso graças a uma pessoa que não está mais aqui entre nós", afirmou.

    Stefan Henze, de 35 anos, que estava no Brasil para os Jogos de 2016, sofreu morte cerebral depois que o táxi em que estava com um companheiro de equipe bateu em uma barreira de concreto a caminho da Vila Olímpica do Rio, em agosto do ano passado.  

    Após o transplante, Ivonette tentou entrar em contato com a família de Henze para agradecer, e chegou até a enviar uma carta através do consulado alemão.

    "Eu estava feliz, minha família estava feliz, mas do outro lado tinha gente sofrendo", disse, acrescentando que tem vontade de conhecer a família do atleta. "Eu teria muita vontade de dar um abraço nessa mãe e nesse pai".

    (Reportagem adicional de Sebastian Rocandio)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos