Presidente da Caixa defende que banco seja operador de jogos de azar em legalização

BRASÍLIA (Reuters) - A Caixa Econômica Federal quer atuar como uma espécie de operadora em uma eventual legalização de jogos de azar no país, disse nesta segunda-feira o presidente do banco estatal, Gilberto Occhi.

“Está se discutindo no Congresso o projeto de lei para a liberação dos jogos eletrônicos, bingos e cassinos. É claro que não vamos ter concessões disso tudo, mas acho que a Caixa, por ter uma credibilidade de jogos no país, tem condição de oferecer o seu serviço a essa estruturação", disse Occhi a jornalistas, após solenidade no Palácio do Planalto para a entrega do cartão-reforma.

O Senado debate projeto que autoriza a exploração de jogos de azar, cuja tributação os parlamentares dizem que poderá gerar recursos para a saúde e para um fundo voltado à segurança pública, como demandam os governadores.

Occhi disse que já tratou da ideia da Caixa participar do processo com senadores que estão trabalhando no assunto.

"Discutimos a estruturação desse jogos onde a Caixa participa como gestora, operadora, controladora e pagadora por ter essa credibilidade", disse.

O executivo disse que existem estimativas dando conta de que os jogos podem render uma arrecadação anual de 20 bilhões de reais.

(Por Leonardo Goy)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos