Economia da China desacelera em outubro após restrições do governo afetarem indústria e varejo

PEQUIM (Reuters) - A economia da China desacelerou mais no mês passado, com a produção industrial, o investimento em ativos fixos e as vendas no varejo abaixo das expectativas conforme o governo combate os riscos à dívida e a poluição das indústrias.

Pequim já está no segundo ano de uma campanha para reduzir os altos níveis de dívida com as autoridades preocupadas que as práticas de empréstimo mais arriscadas, especialmente no setor imobiliário, possam prejudicar a economia.

Os dados divulgados nesta terça-feira sugerem que as autoridades estão fazendo progresso em neutralizar os riscos financeiros afastando a dependência do país do crédito barato, e sinalizou crescimento moderado nos próximos trimestres.

A produção industrial subiu 6,2 por cento em outubro sobre o ano anterior, informou a Agência Nacional de Estatísticas, contra expectativa de analistas de ganho de 6,3 por cento e alta de 6,6 por cento em setembro.

O crescimento do investimento em ativo fixo também desacelerou para 7,3 por cento no período entre janeiro e outubro, de 7,5 por cento nos nove primeiros meses. Analistas esperavam aumento de 7,4 por cento.

"A moderação nos dados de atividade divulgados hoje sugerem que o crescimento desacelerou em outubro e amplia nossa convicção de que continuará assim nos trimestres à frente", escreveram analistas do Nomura em nota a clientes.

O crescimento do investimento imobiliário também enfraqueceu para 5,6 por cento em outubro na base anual, de 9,2 por cento em setembro, calculou a Reuters com base nos dados da agência de estatísticas.

Já as vendas no varejo avançaram 10 por cento em outubro sobre o mesmo período do ano anterior, contra alta esperada de 10,4 por cento e abaixo do crescimento de 10,3 por cento visto em setembro.

O investimento em ativo fixo do setor privado ficou em 5,8 por cento entre janeiro e outubro, de 6 por cento nos nove meses encerrados em setembro,

(Reportagem de Cheng Fang e Kevin Yao)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos