Maia diz que irá insistir na Previdência, mas é melhor ser "realista"

1 Dez (Reuters) - O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta sexta-feira (1º) que continuará insistindo na votação da reforma da Previdência na Casa, apesar do cenário desfavorável, mas ponderou que o melhor é adotar uma postura mais "realista".

Em seminário sobre segurança pública no Rio de Janeiro, Maia reafirmou que o governo ainda está longe de ter os 308 votos necessários para aprovar a reforma, que por se tratar de uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição), precisa alcançar esse patamar mínimo de votos entre os 513 deputados em dois turnos de votação na Casa.

"Vamos continuar insistindo, apesar de toda a dificuldade", disse o presidente da Câmara a jornalistas. "Acho que ser realista é melhor do que ser muito otimista", afirmou, sem fazer uma estimativa de calendário para a votação.

O deputado defendeu mais uma vez a reformulação no sistema de Previdência, sob o risco de o desequilíbrio nas contas públicas comprometer o pagamento de servidores públicos e investimentos em áreas essenciais.

"Eu vou continuar defendendo a votação (da reforma), por mais que eu saiba que é muito difícil", respondeu, ao ser questionado sobre um prazo de votação.

Policiais

Maia afirmou ainda que o texto da nova reforma deve deixar claro que policiais federais terão direito à integralidade da aposentadoria, mesmo os que ingressaram no serviço após 2003.

Segundo ele, também estuda-se uma maneira de fornecer aposentadorias aos mortos em combate, sem comprometer a economia pretendida com a reforma, e de construir uma solução para a transição de delegadas.

PIB foi 'bom'

Maia classificou de "bom" o resultado do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil, que subiu 0,1% entre julho e setembro passado sobre o segundo trimestre. Ele aproveitou para defender a aprovação da reforma como forma de ajudar na recuperação da economia.

"Acho que se tivermos a condição de convencer os deputados de que a gente pode ter uma reforma da Previdência que tenha um impacto positivo real na vida das pessoas que ganham menos no Brasil, a gente também vai esta ajudando no resultado da economia", disse.

(Por Maria Carolina Marcello, em Brasília; Edição de Eduardo Simões)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos