ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Presidente-executivo da Unilever defende equilíbrio entre crescimento e margens

01/12/2017 12h10

Por Martinne Geller

(Reuters) - O presidente-executivo da Unilever, Paul Polman, defendeu seu equilíbrio do crescimento e da margem, ao fazer considerações passionais em um debate gerado pela oferta não solicitada da Kraft-Heinz este ano e dados do terceiro trimestre fracos.

Pressionado para mostrar que pode acelerar os retornos como uma companhia independente após rejeitar a oferta de 143 bilhões de dólares da Kraft-Heinz, a fabricante do sabonete Dove e do sorvete Magnum comprometeu-se em abril a elevar sua margem operacional para 20 por cento em 2020. Investidores aplaudiram a meta, mas alguns analistas se preocuparam que o marketing seria reduzido, o que pode afetar o crescimento das vendas no longo prazo.

Uma desaceleração surpreendente no terceiro trimestre alimentou estes temores.

Na noite de quinta-feira, em um encontro com investidores que durou dois dias em Nova Jersey, Polman ressaltou que a Unilever não está fazendo nada que possa prejudicar o crescimento do volume.

Polman disse que a redução dos gastos totais com marketing se deveram a medidas de eficiência e criticou os acionistas por pressionarem por margens, para então mudarem de tom.

Os preços das ações da Unilever permanecem 24 por cento mais altos ante o período anterior à abordagem da Kraft, mas recuaram mais de 8 por cento desde os resultados no mês passado.

Polman, que está no cargo principal há quase nove anos, também reconheceu o eventual fim de seu mandato na quinta-feira, uma semana após a britânica Sky News ter noticiado que a Unilever contratou uma companhia de recrutamento de executivos para encontrar um sucessor para ele.

(Por Martinne Geller)

Mais Economia