Fazenda melhora projeção de alta do PIB a 3% em 2018 e 1,1% em 2017

Marcela Ayres

O Ministério da Fazenda melhorou sua previsão para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 para alta de 3%, sobre 2% antes, divulgou o ministro da pasta, Henrique Meirelles, nesta quinta-feira (14), apontando que o cálculo foi embasado pelo aumento da confiança, investimento e consumo.

A nova previsão é mais otimista e vem bem depois de especialistas já terem revisado para cima seus cenários. A pesquisa Focus do Banco Central, que ouve uma centena de economistas todas as semanas, mostra que as contas são de expansão de 2,62% do PIB em 2018.

Para 2017, a expectativa do governo para a expansão do PIB também subiu, a 1,1%, contra 0,5% antes, disse Meirelles.

Juros mais baixos e menos dívidas

Segundo o ministro, a melhora levou em conta a continuidade do processo de desalavancagem das empresas, com redução de seu endividamento, além do ambiente de juros mais baixos, propiciado pela inflação em patamares reduzidos.

Na véspera, o Congresso Nacional aprovou projeto de Lei Orçamentária Anual de 2018 com crescimento de 2,5% previsto para a atividade econômica.

A peça, contudo, leva em conta o benefício fiscal com medidas ainda não analisadas pelos parlamentares, como a mudança na tributação de fundos fechados, reoneração da folha de pagamento das empresas, adiamento do reajuste do funcionalismo público e aumento da contribuição previdenciária dos servidores.

Sem nenhuma dessas fontes de receita, o governo terá de bloquear R$ 21,4 bilhões do Orçamento em 2018, o que deverá ter impacto significativo sobre investimentos e no funcionamento da máquina pública.

Questionado sobre a viabilidade da aprovação ainda neste ano, visto que o sinal verde para o Orçamento deixa o caminho livre para os parlamentares já entrarem em recesso, Meirelles disse que tem "trabalhado duro" nos temas.

"Estamos fazendo reuniões constantes. Eu tenho reunião daqui a pouco sobre esse assunto (com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia) e certamente existem aí questões que têm que ser aprovadas este ano pela questão da anualidade", disse.

A alteração na tributação dos fundos fechados, por exemplo, deve necessariamente ser aprovada até o encerramento de 2017 para render R$ 6 bilhões à União no ano seguinte. Do contrário, a arrecadação extra só virá em 2019.

Independentemente do cenário, o ministro da Fazenda disse que o governo está comprometido e irá cumprir a meta fiscal do ano que vem, de rombo primário de R$ 159 bilhões para o governo central.

Entenda o que é o PIB e como ele é calculado

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos