ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 1.Ago.2018
Topo

H&M lidera perdas de bolsas europeias depois de queda nas vendas; bancos tropeçam

15/12/2017 16h30

Por Danilo Masoni e Julien Ponthus

(Reuters) - Os mercados acionários europeus caíram nesta sexta-feira, pressionados por dados decepcionantes das marcas de moda H&M e Ferragamo, além da fraqueza contínua entre ações bancárias.

O índice FTSEurofirst 300 caiu 0,18 por cento, a 1.528 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 0,19 por cento, a 388 pontos.

A H&M recuou quase 13 por cento, liderando as perdas no STOXX depois que a varejista de moda sueca informou uma queda inesperada nas vendas trimestrais devido a menos clientes em suas principais lojas. A ação atingiu a menor cotação desde abril de 2009 e teve a maior queda diária em 13 anos.

"As vendas do quarto trimestre ficaram muito abaixo das expectativas. A recuperação da marca pode demorar mais do que o esperado", informou o UBS em nota, destacando também possíveis riscos para os seus dividendos.

A Ferragamo caiu 6,3 por cento depois que a empresa italiana de bens de luxo disse que não poderia confirmar as metas que havia estabelecido para os próximos três anos e que 2018 será outro ano de transição.

O setor bancário continuou caindo um dia depois que os bancos centrais da zona do euro e do Reino Unido mantiveram as taxas de juros. As ações do HSBC, do BNP Paribas e do Intesa Sanpaolo recuaram.

O setor de telecomunicações, que tem o pior desempenho da Europa neste ano, subiu 0,04 por cento, depois que a sueca Tele2 concordou em vender sua unidade holandesa para a Deutsche Telekom.

Em LONDRES, o índice Financial Times avançou 0,57 por cento, a 7.490 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,27 por cento, a 13.103 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,15 por cento, a 5.349 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,44 por cento, a 22.094 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,26 por cento, a 10.150 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 valorizou-se 0,55 por cento, a 5.385 pontos.

Mais Economia