Bolsas

Câmbio

Fachin mantém prisão preventiva de Joesley e Saud

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido apresentado pelos executivos Joesley Batista e Ricardo Saud, da J&F, para revogar a prisão preventiva a que estão submetidos por terem omitido informações do acordo de delação premiada fechado com o Ministério Público Federal (MPF).

Em sua decisão, o magistrado argumentou que a manutenção das prisões preventivas revela-se "imprescindível" para resguardar a ordem pública e evitar a ameaça de risco de os acusados voltarem a praticar crimes.

O pedido de análise do recurso de ambos seria inicialmente analisado pelo plenário do Supremo, mas, como não houve a apreciação do caso pelo colegiado antes do recesso do final de ano, Fachin tomou a decisão individualmente.

Joesley e Saud estão presos desde setembro, quando foram acusados pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot de terem omitido informações do acordo de delação celebrado com o MPF.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos