ipca
0,45 Out.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Mato Grosso puxa colheita de soja 17/18 do Brasil, que chega a 3,8% da área, diz AgRural

26/01/2018 16h36

SÃO PAULO (Reuters) - Impulsionada pelo ritmo forte dos trabalhos em Mato Grosso, a colheita de soja da safra 2017/18 no Brasil alcançou 3,8 por cento da área estimada até quinta-feira, avanço de 3 pontos percentuais em apenas uma semana, informou nesta sexta-feira a AgRural.

As atividades ainda estão aquém daquelas de um ano atrás, quando a colheita alcançava 4,3 por cento, mas superam os 2,9 por cento da média de cinco anos.

"O tempo firme dos últimos dias e a expectativa de muita chuva na virada de janeiro para fevereiro fizeram os produtores de Mato Grosso acelerarem as colheitadeiras nesta semana", explicou a consultoria, em referência ao principal produtor nacional da oleaginosa, que puxou os trabalhos nos últimos dias.

No Estado, a colheita saltou para 13,5 por cento da área, ante 2,8 por cento na semana anterior e 12,4 por cento há um ano.

Mais cedo nesta sexta-feira, o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) relatou que os trabalhos no Estado atingiam 12,35 por cento da área.

Além de Mato Grosso, a AgRural também reportou colheita em Rondônia (10 por cento), São Paulo (0,8 por cento), Mato Grosso do Sul (0,2 por cento) e Pará (1 por cento).

"Embora possam atrapalhar a colheita, as chuvas previstas para os próximos dias são favoráveis às lavouras mais tardias do Centro-Oeste... Mas é preciso ficar atento ao Rio Grande do Sul e ao Matopiba, que ainda precisam de chuva em fevereiro para consolidar a safra, mas que têm poucos volumes previstos para os próximos 15 dias", ponderou a AgRural.

MILHO

A consultoria informou ainda que a colheita de milho 1ª safra ("verão") registrava 5,3% por cento da área estimada no centro-sul do Brasil, ante 3,4 por cento em igual momento de 2017 e 4,6 por cento na média recente.

Já o plantio do milho 2ª safra, o "safrinha", o plantio no centro-sul chegou a 3,5 por cento da área até quinta-feira, frente 5,6 por cento há um ano e 4,2 por cento na média de cinco safras.

(Por José Roberto Gomes)

Mais Economia