ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

ENTREVISTA-Clear começa 2018 otimista e com preço agressivo para surfar oportunidades com eleições

01/02/2018 10h20

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Clear Corretora, marca do grupo XP Investimentos, começa 2018 com perspectiva positiva para o crescimento do faturamento após promover uma série de mudanças que incluíram preços agressivos para atrair um fluxo de investidores que pode entrar no mercado em razão de oportunidades com o cenário eleitoral.

"Nós estamos otimistas...2018 é um ano de eleição, ano em que deve ter bastante oportunidade", afirmou à Reuters o sócio do Grupo XP Raony Rossetti, responsável pela área de renda variável das três marcas do grupo - XP Investimentos, Rico Investimentos e Clear Corretora.

Desde que assumiu o comando da área na Clear no começo do ano passado, o executivo disse que foram feitas várias mudanças envolvendo melhoria de tecnologia e sistemas de negociação, otimização do sistema de risco, novas plataformas e reforço do time de analistas, entre outras iniciativas.

"Houve uma série de entregas ao longo do ano e o fechamento de todas essas entregas foi a nova política de corretagem, de preço", disse.

Em novembro, a corretora reduziu a 0,09 real por contrato o preço de corretagem para negociação com mini contratos de Ibovespa futuro e dólar futuro, que anteriormente variava de 0,35 a 1 real.

Na virada do ano, passou a cobrar 0,80 real por ordem nas operações de ações 'day trade' (em que o cliente compra e vende o ativo no mesmo dia) ou swing trade (compra e vende em dias separados). Anteriormente, a corretagem média cobrada em operações de ações variava entre 5 e 10 reais.

Na esteira das mudanças, a Clear já registra em janeiro, até o dia 26, aumento de 200 por cento no número de clientes novos em relação à média mensal apurada no último trimestre de 2017. O número de clientes que realizaram pelo menos uma operação cresceu 38 por cento e a base de clientes ativos, que têm pelo menos 100 reais na conta da corretora, subiu 18 por cento.

A Clear, comprada pela XP no início de 2014, é a marca do grupo voltada aos investidores pessoa física chamados "traders", que já têm alguma experiência em renda variável, gostam de operações de mais curto prazo e tendem a ser bastante atentos a novas tecnologias, entre outros fatores.

É a menor do grupo, com 46 mil clientes, dentro de um universo total de 500 mil, e até então totalmente focada em renda variável. Neste mês, até o dia 26, aparecia em segundo lugar entre as corretoras na negociação de mini contratos e em 19ª em operações na Bovespa - mesmo sem clientes institucionais.

Rossetti reconhece que há expectativa de aumento de participação de mercado, mas rechaça a análise de que a decisão de preços decorreu de movimentos na concorrência. Ele argumenta que sua estrutura enxuta e o elevado nível de automatização reduzem o custo fixo, permitindo tal política de preços.

A equipe dedicada exclusivamente à Clear conta com 40 profissionais, sendo que alguns serviços como o de recursos humanos são compartilhados com o grupo. E mesmo com as mudanças implementadas e resultados já vistos, bem como os projetos por vir, apenas cinco vagas foram abertas.

"Crescer equipe de forma linear com crescimento de clientes não faz muito sentido, sobretudo se a gente quiser trabalhar com preços mais em conta", diz Rossetti.

A partir deste ano a Clear também deixa de ser uma casa focada apenas em renda variável e passa a oferecer uma plataforma de renda fixa. Já estão disponíveis Certificados de Depósito Bancário (CDB) e Letras de Câmbio (LCs) e a previsão é oferecer Letras de Crédito do Agronegócio (LCA), Letras de Crédito Imobiliário (LCI) e debêntures até o fim do ano.

A Clear também prevê ter em seu portfólio ainda este ano Certificados de Operação Estruturada (COE), o que permitirá aos clientes da corretora, entre outros pontos, investir no exterior sem sair do Brasil.

O pacote de mudanças previstas para o primeiro trimestre conta com o lançamento do novo site da corretora, e junto com as outras marcas do grupo XP, uma nova plataforma de negociação, desenvolvida com um parceiro.

Mais Economia