ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

WEG espera melhora de investimentos industriais nos próximos meses

01/03/2018 12h02

SÃO PAULO (Reuters) - A fabricante de motores elétricos e tintas industriais WEG espera uma melhora de investimentos industriais no Brasil nos próximos meses facilitada pela redução de juros da economia, maior confiança dos consumidores e melhoria da renda, afirmaram executivos da companhia nesta quinta-feira.

"Isso deve melhorar os investimentos em equipamentos de ciclo curto", disse o diretor superintendente administrativo financeiro da WEG, André Luís Rodrigues, em teleconferência com analistas.

A WEG divulgou na véspera lucro líquido de 300 milhões de reais no quarto trimestre, queda de 7 por cento sobre o resultado obtido um ano antes.

"Também estamos vendo nos principais mercados globais crescimento da produção industrial e indústrias começando a demandar produtos de ciclo longo também", afirmou o executivo.

Questionados sobre a área de energia eólica, executivos da companhia comentaram que esperam estabilidade em projetos no Brasil este ano, e nenhum projeto para 2019. O patamar de receita da área este ano deve ficar próximo de 700 milhões de reais.

A WEG ainda está estudando impactos em sua operação norte-americana a serem gerados pela reforma tributária nos Estados Unidos promovida pelo governo de Donald Trump, que reduziu a alíquota de imposto de 35 para 21 por cento. A expectativa é que a empresa conclua a análise até meados deste ano, afirmou o diretor financeiro, Paulo Polezi.

"Estamos percebendo que esse benefício não vai atingir até os 21 por cento porque tem algumas alterações na base de cálculo do imposto. Para a maior parte das empresas deve ficar entre 21 e 34 por cento", afirmou Polezi.

Já sobre o retorno sobre capital investido (Roic) da WEG em 2018 e 2019, Rodrigues avalia que deve ficar entre 15 e 17 por cento, "talvez com um pequeno incremento em cima disso", acrescentou. Em 2017, o Roic foi de 15,4 por cento, alta de 1,7 ponto percentual sobre o obtido em 2016.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Mais Economia