ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Clientes norte-americanos estocam aço canadense antes de entrada em vigor de tarifas dos EUA

09/03/2018 20h26

Por Allison Lampert e Allison Martell

MONTREAL, Canadá (Reuters) - Clientes norte-americanos estão acumulando aço canadense antes que as novas tarifas de importação anunciadas pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, entrem em vigor no final deste mês, afirmaram fontes do setor familiarizadas com o assunto.

O aumento da demanda por aço canadense está causando algumas interrupções na cadeia de fornecimento, disseram as fontes.

O Canadá, o maior fornecedor de aço para os EUA, escapou das tarifas de importação de Trump junto com México, mas os dois países ainda podem enfrentar sobretaxas se não chegarem a um acordo com Washington para renegociação do Nafta.

Uma fonte canadense distribuidora de aço disse que os clientes americanos, tanto distribuidores quanto usuários finais da liga, estavam comprando produtos canadenses no mercado local, devido à ameaça das tarifas de Trump. Mas a oferta era limitada.

Trump assinou na quinta-feira a medida que cria tarifas de importação de 25 por cento sobre aço e de 10 por cento sobre alumínio, que deverão entrar em vigor em 15 dias.

Flavio Volpe, presidente da Associação de Fabricantes de Autopeças, disse nesta sexta-feira que soube de casos de estocagem de aço. Volpe disse que a formação dos estoques estavam aumentando os receios de preços mais altos em um "setor que já sofre com margens apertadas".

Um distribuidor de aço da região de Detroit afirmou que clientes estão tentando estocar aço, mesmo a preços maiores. Os estoques envolvem desde autopeças a equipamentos industriais.

"Achamos que eles (preços do aço) continuarão subindo", disse uma terceira fonte. "O Canadá se esquivou da bala, mas a batalha não acabou." A fonte, que trabalha em um centro de serviço que é fornecedor para o setor automotivo nos EUA e Canadá, disse que está comprando mais produtos siderúrgicos de usinas de ambos os países.

(Por Allison Lampert e Allison Martell)

Mais Economia