ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Suzano reitera conversas com Fibria sobre potencial fusão, mas há questões pendentes

09/03/2018 10h24

SÃO PAULO (Reuters) - A Suzano Papel e Celulose reiterou nesta sexta-feira que está em tratativas com acionistas controladores da Fibria sobre potencial operação entre as companhias, mas ressaltou que ainda há questões pendentes de definição que afetam a operação e suas condições, inclusive financeiras e estruturais.

As declarações da empresa foram em resposta ao questionamento da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), após o jornal Valor Econômico publicar que a empresa e a Fibria estariam perto de anunciar o acordo de fusão das operações que envolveria a saída da Votorantim do negócio, com a Suzano assumindo o controle da nova empresa.

A Suzano disse ainda que devido às questões pendentes não é possível "validar a veracidade" das informações noticiadas e que não há qualquer garantia de que a potencial operação com Fibria se concretizará.

Separadamente, a Fibria informou que seus acionistas controladores Votorantim e BNDES Participações (BNDESPar) têm mantido discussões com a Suzano e seus acionistas controladores, mas que não há definição dos termos e condições para a conclusão de um possível negócio.

Além disso, a Fibria afirma que não é parte dessas negociações e não possui informações adicionais.

Na véspera, a Reuters informou que as duas empresas estariam se aproximando de um entendimento para uma fusão de suas operações, com a saída da Votorantim do grupo de controle da Fibria, enquanto o BNDES ainda avalia o que fazer com sua parcela na companhia.

No mês passado, quando notícias sobre a retomada de negociações entre as duas empresas voltaram ao radar, as duas empresas já haviam confirmado a existência de conversas neste sentido.

A Fibria já havia informado que seus acionistas controladores foram procurados por representantes da Suzano "para discutir alternativas estratégicas", enquanto a Suzano afirmou que foram estabelecidas discussões "muito preliminares" com representantes da Fibria sobre "possível negócio envolvendo as empresas, sem nenhum formato ou estrutura definida".

(Por Flavia Bohone)

Mais Economia