ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Wall Street recua com saída de Tillerson e preocupações sobre novas tarifas

13/03/2018 18h24

NOVA YORK (Reuters) - Os principais índices de Wall Street caíram nesta terça-feira, com a demissão do Secretário de Estado dos Estados Unidos Rex Tillerson e a possibilidade de tarifas adicionais sobre importações dos EUA contra a China pressionando ações em diversos setores.

O Dow Jones caiu 0,68 por cento, a 25.007 pontos, o S&P 500 perdeu 0,64 por cento, a 2.765 pontos, e o Nasdaq recuou 1,02 por cento, a 7.511 pontos.

O presidente Donald Trump demitiu Tillerson após uma série de divergências públicas sobre assuntos incluindo Coreia do Norte e Rússia. Trump nomeou o diretor da CIA, Mike Pompeo, visto como leal ao presidente, para substituir Tillerson.

Para comandar a CIA, o presidente indicou Gina Haspel, a vice-diretora da agência.

"Em qualquer momento em que há mudanças, investidores ficam nervosos", disse John Carey, gestor de portifólio da Amundi Pioneer Asset Management. "Eles precisam voltar à prancheta de desenho para descobrir quais podem ser as implicações."

Ainda assim, disse Carey, pelo menos os indicados para liderar o Departamento de Estado e a CIA são nomes familiares.

"Eu não acho que nenhuma das mudanças causará problemas ao mercado quando as pessoas refletirem sobre as qualificações das pessoas que estão assumindo os cargos", disse ele.

Os índices dos EUA aprofundaram as perdas após o site Politico reportar que um pacote de tarifas mirando 30 bilhões de dólares ao ano em importações chinesas pode ser apresentado tão cedo quanto na próxima semana.

"Isso pode estar atrapalhando," disse Bryan Novak,diretor sênior da Astor Investment Management. "Quando você olha para as tarifas, não olha para um vácuo. Você olha para o que acontece depois (delas). Vale observar um pouco mais, para ver o que segue do nosso lado e do lado deles, mas pode haver ansiedade ao redor disso".

Os mercados abriram a sessão em alta após dados mostrarem que o crescimento dos preços ao consumidor dos EUA desacelerou em fevereiro, um indicativo de que uma esperada aceleração na inflação provavelmente será apenas gradual.

(Por April Joyner; reportagem adicional de Sruthi Shankar)

Mais Economia