ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Maia avalia que tempo é curto para votar MP da reforma trabalhista

Maria Carolina Marcello

14/03/2018 16h15

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta quarta-feira que considera “muito curto” o prazo para resolver impasse e votar a medida provisória que traz ajustes em pontos da reforma trabalhista.

Segundo ele, o fato de a proposta ter sido editada pelo governo via medida provisória dificulta as negociações, justamente pela exigência que a MP passe por uma comissão especial de deputados e senadores antes de ser encaminhadas aos plenários das duas Casas.

“Está um pouco enrolado, né”, disse o presidente da Câmara. “Acho que se tivesse sido por projeto de lei, tinha tramitado. Medida provisória é sempre mais confuso, porque mistura das duas Casas. Eu acho que está me parecendo um tempo muito curto para conseguir avançar na matéria por medida provisória.”

A MP foi editada pelo governo como parte do compromisso assumido com o Senado para que aprovassem a reforma trabalhista na Casa, em julho do ano passado. Pelo trato, senadores da base aprovariam a reforma sem modificações --evitando assim o retorno do texto à Câmara dos Deputados-- e modificações pretendidas por eles seriam incluídas na medida provisória.

O problema é que a MP já enfrenta resistências antes mesmo de chegar ao plenário da Câmara. Um impasse sobre a relatoria da proposta na comissão mista responsável por sua análise tem impedido o andamento da proposta.

Deputados tinham predefinido que a tarefa ficaria a cargo de Rogério Marinho (PSDB-RN), mesmo parlamentar que relatou a reforma trabalhista original do governo há quase um ano, mas a escolha do nome esbarra na discordância do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), relata uma fonte a par do assunto.

Uma fonte do Senado, no entanto, nega ter visto qualquer movimentação do senador Eunício Oliveira contra a indicação do relator, mas o fato é que ainda não há uma definição de nomes e a reunião da comissão marcada para a tarde desta quarta-feira foi cancelada.

Para Maia, ocorre uma disputa em torno de “algo que talvez não seja relevante”, já que o deputado considera pequeno o prazo para análise da MP.

Em um novo capítulo que deve atrasar ainda mais o andamento da MP, o senador Gladson Cameli (PP-AC) renunciou à presidência da comissão mista da medida. Um outro presidente terá de ser eleito e terá a prerrogativa de definir o relator da proposta.

 

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Mais Economia