ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 1.Ago.2018
Topo

Bovespa recua com pressão da Petrobras após prejuízo no quarto trimestre

15/03/2018 11h41

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado acionário brasileiro tinha uma manhã negativa nesta quinta-feira, com Petrobras entre as maiores pressões de baixa após registrar prejuízo líquido de 5,477 bilhões de reais no último trimestre de 2017.

Às 11:38, o Ibovespa caía 0,89 por cento, a 85.285 pontos. O volume financeiro somava 3 bilhões de reais.

No exterior, o tom positivo prevalecia, com alta de commodities e das bolsas na Europa e nos Estados Unidos.

A equipe da XP Investimentos disse, contudo, que os negócios seguem afetados pelas tensões comerciais engatilhadas pelo presidente norte-americano Donald Trump.

DESTAQUES

- PETROBRAS ON e PETROBRAS ON recuavam 1,92 e 0,72 por cento, respectivamente, após divulgar balanço do último trimestre de 2017, com prejuízo líquido de 5,477 bilhões de reais, encerrando o ano passado com perda líquida de 446 milhões de reais. O conselho da Petrobras também determinou estudos para mudar política de dividendos

- BRADESCO PN perdia 1,4 por cento e ITAÚ UNIBANCO PN recuava 0,61 por cento, pressionando o Ibovespa, com papéis do setor bancário como um todo em queda no índice.

- QUALICORP ON recuava 3,51 por cento, antes da divulgação de seu resultado trimestral, previsto para após o fechamento do mercado nesta quinta-feira.

- BR MALLS tinha queda de 1,35 por cento, em meio a repercussão negativa do balanço do último trimestre de 2017, com queda anual no lucro operacional medido Ebitda ajustado para 235,4 milhões de reais. [nL1N1QX0T3

- NATURA subia 1,1 por cento, na ponta positiva do Ibovespa, após resultado do quarto trimestre, com lucro líquido consolidado de 256,8 milhões de reais. A fabricante de cosméticos informou ainda que antecipou em um ano sua meta de atingir a relação dívida líquida/Ebitda de 1,4 vez para dezembro de 2021, ante dezembro de 2022.

- ELETROBRAS PNB e ELETROBRAS ON avançavam 1,88 e 1,49 por cento, respectivamente, tendo no radar afirmação do presidente da elétrica estatal no final da quarta-feira de que lançará na próxima semana um terceiro programa de demissão voluntária na estatal.

Mais Economia