ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Mercados acionários da China recuam em meio a preocupações sobre protecionismo nos EUA

16/03/2018 07h03

XANGAI (Reuters) - Os mercados acionários da China recuaram nesta sexta-feira e fecharam a semana com perdas, pressionados pelas empresas de consumo e de matérias-primas, uma vez que notícias de mais caos na administração Trump ampliaram as preocupações com o aumento do protecionismo nos Estados Unidos.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, caiu 0,96 por cento, enquanto o índice de Xangai teve baixa de 0,63 por cento.

O índice de start-ups ChiNext Composite terminou com perdas de 1,48 por cento. Um índice que acompanha os produtores de matérias-primas recuou 1,3 por cento nesta sexta-feira.

As empresas de matérias-primas, incluindo produtoras de alumínio e aço, lideraram as quedas, após um painel dos EUA dizer que importações de chapas de alumínio da China afetam os produtores norte-americanos.

No restante das região a maioria dos mercados também apresentou perdas, depois que o procurador especial dos EUA, Robert Mueller, intimou a Organização Trump a entregar documentos, incluindo alguns relacionados à Rússia, de acordo com o New York Times.

Às 7:02 (horário de Brasília), o índice MSCI, que reúne ações da região Ásia-Pacífico com exceção do Japão, tinha queda de 0,12 por cento.

. Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 0,58 por cento, a 21.676 pontos.

. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,12 por cento, a 31.501 pontos.

. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,63 por cento, a 3.270 pontos.

. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,96 por cento, a 4.056 pontos.

. Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 0,06 por cento, a 2.493 pontos.

. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,08 por cento, a 11.027 pontos.

. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 0,16 por cento, a 3.512 pontos.

. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 0,48 por cento, a 5.949 pontos.

Mais Economia