Bolsas

Câmbio

Confiança da construção volta a subir em março, diz FGV

SÃO PAULO (Reuters) - A confiança da construção brasileira voltou a subir em março após uma pausa no mês anterior, com percepção melhor tanto sobre a situação atual quanto sobre o futuro, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

O Índice de Confiança da Construção (ICST) do país teve em março alta de 0,7 ponto e atingiu 82,1 pontos.

"O resultado de março mostra que a confiança empresarial retomou a trilha de recuperação observada desde junho do ano passado, fechando o trimestre com alta relevante, o que reforça as projeções de crescimento setorial", disse em nota a coordenadora de Projetos da Construção da FGV IBRE, Ana Maria Castelo, alertando entretanto que "os sinais positivos ainda estão restritos a poucas atividades".

O Índice da Situação Atual (ISA-CST) subiu 0,9 ponto, a 71,4 pontos, o maior patamar desde julho de 2015, ajudado pelo impulso no índice que mede a percepção sobre a situação atual da carteira de contratos.

Já o Índice de Expectativas (IE-CST) teve alta de 0,5 ponto, a 93,2 ponto, influenciado pela alta do indicador que mede a demanda para os próximos três meses.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) do setor, informou ainda a FGV, recuou pelo segundo mês consecutivo, caindo 0,5 ponto percentual, e chegando a 65 por cento.

Em nota separada, a FGV divulgou que o Índice Nacional de Custo da Construção–M (INCC-M) acelerou a alta a 0,23 por cento em março, de 0,14 por cento em fevereiro.

O resultado do setor de construção acompanha o da confiança do consumidor, que voltou a melhorar em março diante do aumento na intenção de compra nos próximos meses.

(Por Taís Haupt)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos