ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Fed está de olho em choques financeiros à medida que riscos aumentam

03/04/2018 18h49

NOVA YORK (Reuters) - Os altos preços dos ativos e a crescente pressão econômica do estímulo fiscal dos EUA significam que os mercados financeiros podem estar particularmente vulneráveis ​​a um choque inesperado, disse um influente regulador do Federal Reserve nesta terça-feira, alertando que o banco central poderia responder com exigências mais fortes dos bancos conforme necessário.

A integrante do Fed, Lael Brainard, disse que, por enquanto, os riscos para o sistema financeiro dos EUA são "moderados" graças, em parte, aos controles de segurança adotados após a crise e à recessão da última década. Mas com cortes de impostos e gastos do governo arriscando uma economia "em expansão", disse que o Fed aumentaria os estoques de capital dos bancos se as vulnerabilidades crescessem.

"As avaliações parecem esticadas e as pressões cíclicas estão aumentando", disse Brainard, uma das três únicas mulheres membros do Fed, na Stern School of Business da Universidade de Nova York.

"Nessas circunstâncias, os preços dos ativos podem ser particularmente suscetíveis a um desenvolvimento inesperado que acentue os riscos de baixa para a perspectiva macroeconômica", como as preocupações com a inflação alta ou a incerteza sobre a política dos EUA, disse ela.

Os mercados de ações dos EUA permanecem próximos de recordes, apesar de um forte aumento na volatilidade neste ano, em parte devido à incerteza sobre como o Fed pode reagir ao aumento fiscal e a uma economia que deve se aquecer.

Embora o Fed tenha dito que apoia o corte prudente das reformas financeiras da era da crise, Brainard disse que pode ser apropriado fortalecer a resiliência de Wall Street se "as pressões cíclicas continuarem aumentando e as vulnerabilidades financeiras se ampliarem".

Sobre criptomoedas, ela disse que é difícil ver como a recente "volatilidade extrema" de algumas delas poderia ameaçar a estabilidade financeira geral. Mas esses mercados "podem levantar importantes questões de proteção ao investidor e ao consumidor, além de alguns parecem especialmente vulneráveis ​​a preocupações com lavagem de dinheiro", disse Brainard.

(Por Jonathan Spicer)

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 56447745))

REUTERS SI ID

Mais Economia