ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Procurador pede explicações a ministro da Defesa sobre declarações de comandante do Exército

04/04/2018 19h26

BRASÍLIA (Reuters) - O procurador da República no Distrito Federal Ivan Cláudio Marx pediu explicações nesta quarta-feira ao ministro interino da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, sobre as declarações feitas pelo comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, em sua conta no Twitter na véspera do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Em um adendo a uma investigação já aberta para apurar a fala do general Antonio Hamilton Mourão --que, em uma palestra em setembro do ano passado disse que, se o mundo político não se entendesse, os militares poderia ter que “impor uma solução”--, o procurador pede que se oficie o ministro para “ciência e manifestação sobre eventual risco de função interventora das Forças Armadas”.

Na noite de quarta-feira, Villas Bôas escreveu no Twitter que o Exército compartilha "com os cidadãos de bem" o "repúdio à impunidade".

“Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do país e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais? Asseguro à nação que o Exército Brasileiro julga compartilhar o anseio de todos os cidadãos de bem de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à Democracia, bem como se mantém atento às suas missões institucionais.”

As afirmações do comandante do Exército foram defendidas por subordinados, mas criticadas por parlamentares, advogados e procuradores.

O Palácio do Planalto manteve o silêncio sobre as declarações. Mas nesta manhã, o presidente Michel Temer defendeu, em discurso durante cerimônia, a democracia, a ordem jurídica e a Constituição.

Em nota, o Ministério da Defesa, defendeu Villas Bôas e afirmou que o general “mantém a coerência e o equilíbrio demonstrado em toda sua gestão” e que suas postagens são “uma mensagem de confiança e estímulo à concordância”.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

Mais Economia