Bolsas

Câmbio

Produção industrial no Brasil cai 0,1% em março, diz IBGE

Rodrigo Viga Gaier e Camila Moreira

A indústria do Brasil encerrou o primeiro trimestre estagnada depois de queda inesperada na produção em março, pressionada pelo setor de bens intermediários, em mais um sinal de que a economia vem mostrando desempenho aquém do esperado.

A produção industrial caiu 0,1% em março em relação a fevereiro, informou nesta quinta-feira (3) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), frustrando com força a expectativa em pesquisa da agência de notícias Reuters com analistas de alta de 0,6%. 

Com isso, o setor terminou o primeiro trimestre estagnado em comparação com os três meses anteriores, mostrando forte desaquecimento depois de ter crescido 1,7% no quarto trimestre de 2017 sobre o período anterior.

"No primeiro trimestre podemos dizer que estamos longe de uma trajetória de maior consistência para a produção industrial. Temos ainda um mercado de trabalho longe de absorver os desocupados e isso ajuda a atrapalhar o consumo", explicou o gerente da pesquisa no IBGE, André Macedo.

Na comparação com março do ano passado, houve avanço de 1,3% na produção industrial, também abaixo da expectativa de 3,3%. 

Fabricação de matérias-primas

O desempenho de março foi influenciado majoritariamente por bens intermediários, que respondem por 60% da indústria e estão ligados à fabricação de matérias-primas. A fabricação desses produtos, como celulose e químicos, caiu 0,7%, terceiro mês seguido de perdas.

Esse resultado foi suficiente para ofuscar os ganhos de 2,1% entre Bens de Capital e de 0,2% dos Bens de Consumo.

Entre os ramos pesquisados, 14 dos 26 apresentaram recuo, com destaque para bebidas (-3,6%), produtos farmoquímicos e farmacêuticos (-4,2%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-4,2%).

Recuperação lenta

O ritmo da indústria neste ano vem se mostrando lento mesmo diante da inflação e juros baixos, uma vez que o desemprego ainda elevado contém o consumo e impede melhora econômica mais robusta num ano de eleição presidencial envolta por indefinições.

"A indústria está também numa recuperação lenta e gradual, assim como a economia. O ambiente no país ainda é cercado de incerteza, seja no campo político, seja no campo econômico, e isso acaba trazendo instabilidade para a produção industrial", completou Macedo.

Indicadores de abril já mostraram que esse cenário econômico não deve ter mudado, ao mostrarem deterioração generalizada da confiança no Brasil, acendendo sinal de alerta sobre a atividade no início do segundo trimestre.

Como ir à praia e gastar pouco em tempos de crise?

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos