Bolsas

Câmbio

Novo ciclo de aportes em infraestrutura no país pode somar R$2 tri em 8 anos, diz estudo

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - As condições para o Brasil reverter anos de investimentos deficitários em infraestrutura estão mais favoráveis e não seria impraticável que o país atingisse suas metas de aportes de 2,1 trilhões de reais no setor nos próximos oito anos, avaliou um especialista da Grant Thornton, responsável por estudo inédito antecipado à Reuters.

O montante representaria um investimento médio em infraestrutura e energia de 3,6 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) ao ano, na hipótese de um aumento médio anual da economia de 3 por cento até 2025.

Esse índice de aportes indicado pela Grant Thornton significaria quase o dobro do percentual do PIB investido em infraestrutura entre 2011 e 2015, segundo dados do Banco Mundial. Os investimentos, estimados pela consultoria com base em planos do próprio governo, seriam mais de duas vezes o total aplicado no setor no Brasil de 2001 a 2015 --que somou 1 trilhão de reais.

"É fundamental que a gente chegue perto desse valor. Apesar de a cifra ser grande, não é infactível, imaginando-se que o Brasil entra em novo ciclo...", disse à Reuters Paulo Funchal, sócio de Transações da Grant Thornton, ao apresentar o estudo que aponta que o país vem de déficits de centenas de bilhões de reais nos últimos anos no segmento.

De outra forma, sem investimentos adequados, o país poderia parar e enfrentar até escassez de energia elétrica, acrescentou ele, que não acredita nesta hipótese diante na atual conjuntura.

Segundo ele, a retomada da economia, influenciada pela taxa Selic no menor nível histórico (6,5 por cento), a inflação sob controle, uma adequada gestão do déficit fiscal e o estabelecimento da Taxa de Longo Prazo (TJP), em substituição à TJLP, são questões que colaboram para os investimentos em infraestrutura.

Isso sem falar que nos últimos anos o setor tem ganhado cada vez mais participação do segmento privado, com quase 70 por cento do total de investimentos em 2017, e maciços aportes estrangeiros, especialmente da China.

Dos 2,1 trilhões de reais previstos até 2025, o setor de óleo e gás responderá por quase 50 por cento, seguido por energia elétrica (361 bilhões de reais); telecomunicações (338,7 bilhões de reais); saneamento (168,2 bilhões de reais) e logística terrestre (132,6 bilhões) e portuária (51,3 bilhões de reais).

Após o Brasil ter ficado na 114ª posição no mundo em investimentos em infraestrutura em 2017, segundo estudo da companhia de seguros francesa Coface, citado pela Grand Thorton, Funchal demonstra otimismo de que finalmente o Brasil deixe de "perder o bonde" de investimentos em setor tão importante para um país que está entre as dez economias globais, sendo também exportador relevante de commodities.

"Para o Brasil não perder esse momento, as condições econômicas nunca foram tão positivas...", ressaltou o sócio da Grant Thornton, uma das cinco maiores empresas globais de auditoria e consultoria de investimentos, com atuação em mais de 135 países.

Ele citou ainda as chamadas debêntures de infraestrutura, lançadas há poucos anos, com emissões totais de 9,1 bilhões de reais em 2017. Com juros baixos, disse Funchal, esse instrumento deve ser cada vez mais importante para financiar o setor e pode atingir cerca de 15 bilhões de reais em captações já neste ano.

"Os juros devem viabilizar as debêntures de infraestrutura. Vai ter migração do poupador que utilizava títulos públicos, ele vai buscar melhor rentabilidade nas debêntures...", disse Funchal, lembrando que o setor de energia tem utilizando bastante esse instrumento.

DE ONDE VEM?

Num país fadado a expandir a liderança global na exportação de commodities como soja e carnes nos próximos anos, investimentos em portos, ferrovias e rodovias --em grande parte ainda não pavimentadas no país-- são fundamentais.

E a aposta é de que os estrangeiros, especialmente chineses, que precisam de matérias-primas a custos competitivos, impulsionem os investimentos no país.

"Os chineses vão fazer aquela ferrovia que vai cruzar o país, eles têm visão de longo prazo...", destacou o especialista.

Além disso, o sócio da Grant Thornton comentou que há grandes empresas estrangeiras querendo adquirir companhias nacionais para desenvolver projetos de infraestrutura.

Ele citou ainda o modelo de parcerias, como o estabelecido entre a chinesa Shandong Kerui Petroleum e a brasileira Método Potencial --em um contrato de quase 2 bilhões de reais para a construção de uma unidade de gás da Petrobras-- como alavanca dos investimentos no setor.

Questionado sobre riscos eleitorais, ele comentou que em geral os candidatos a presidente têm uma visão que aponta para a manutenção de controle das contas públicas, um sinal importante de que um processo auspicioso pode continuar.

(Por Roberto Samora)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos