ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Brasil terá saldo positivo de empregos formais em todo o ano de 2018, diz ministro do Trabalho

09/05/2018 19h42

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A redução nas expectativas de crescimento do PIB, diante de sinais de ritmo mais fraco da atividade econômica, e a pressão causada pela valorização do dólar, o Brasil deve terminar o ano com um saldo positivo na geração de empregos formais, segundo o ministro do Trabalho e Emprego, Helton Yomura.

Ainda é possível que o mercado de trabalho reaja neste ano, com ajuda do incremento das exportações e do agronegócio, citou o ministro, evitando se comprometer com uma meta formal de saldo do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

"Continuamos otimistas de ter um Caged positivo durante todo ano de 2018", afirmou.

"Esperamos que com as exportações e nas atividades que somos fortes como o agronegócio ajudem e que o cenário internacional ruim não impacte tanto na economia e na geração de empregos."

O mercado de trabalho tradicionalmente é um dos últimos setores a se recuperar após uma recessão, mas os dados econômicos mais recentes indicam perda de fôlego do emprego em meio a uma taxa de desemprego de dois dígitos.

O Brasil gerou 56.151 vagas formais em março, o melhor para o mês em cinco anos, mas registrando a terceira queda mensal depois das 77.822 vagas em janeiro e 61.188 em fevereiro.

Segundo o ministro do Trabalho, o mercado já é melhor que em anos anteriores graças à retomada econômica e às novas formas de contratação criadas pela reforma trabalhista.

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) registrou queda pelo segundo mês seguido em abril e mostrou que o país iniciou o segundo trimestre com desaceleração no ritmo de recuperação do mercado de trabalho, segundo a Fundação Getulio Vargas.

O Brasil encerrou o primeiro trimestre de 2018 com taxa de desemprego de 13,1 por cento, a mais alta desde maio do ano passado, em meio ao aumento da dispensa de trabalhadores diante de uma economia que vem mostrando menos força do que o esperado.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Newsletters

Receba dicas para investir e fazer o seu dinheiro render.

Quero receber

Mais Economia